Pietro Fittipaldi começou o ano vencendo
Pietro Fittipaldi começou o ano vencendo

O sábado (5) foi histórico para duas das principais famílias do automobilismo brasileiro. Enquanto os carros da F1 iam à pista para a disputa do treino classificatório do GP do Bahrein, Pietro Fittipaldi liderou o bom domingo da mais nova geração de pilotos do país e venceu a primeira corrida da F-Renault Inglesa, em Rockingham.

O neto de Emerson havia conquistado o segundo lugar na classificação e se aproveitou de um erro do companheiro de equipe, Matteo Ferrer, para assumir a ponta logo no começo da prova. O piloto ainda viu o principal adversário, Alex Gill, sofrer com um pneu furado, o que facilitou o trabalho.

Assim, Pietro só precisou administrar nas voltas finais para confirmar o primeiro triunfo da carreira na F-Renault – ano passado ele havia vencido apenas na F4 – e começar 2014 no degrau mais alto do pódio.

Um pouco mais tarde, foi a vez dos Piquet comemorar. Aos 15 anos de idade, Pedro não deu chance para a concorrência e venceu após uma incrível corrida de recuperação a primeira bateria da renovada F3 Brasil em Tarumã. O brasiliense precisou segurar Bruno Etman e Artur Fortunato para poder beber champanhe – ou, sei lá, Toddynho – pela primeira vez no pódio.

Essas duas vitórias obviamente são resultados que devem ser comemorados. É bom ver que o automobilismo brasileiro, que estava na UTI há algum tempo, começa a dar sinais de que há um processo de renovação acontecendo nas canteras. Mas também é bom pararmos por aí.

Pedro Piquet levou a Brabham ao primeiro lugar (foto de bruno terena/vicar)
Pedro Piquet levou a Brabham ao primeiro lugar (foto de bruno terena/vicar)

Ver um Piquet e um Fittipaldi vencendo naturalmente faz a imaginação trabalhar. Aí a gente acaba ouvindo que eles são a esperança do esporte a motor do Brasil e precisam honrar o sobrenome que carregam.

A verdade é que eles não precisam provar nada. Estamos falando de um menino de apenas 15 anos e outro de 17, que até outro dia estava na Nascar. É extremamente desleal colocar a pressão de representar um país – que não fez e não faz muito por eles – na tentativa de chegar à F1.

E isso sem falar que parte dos torcedores deposita ainda mais expectativas nessa dupla, pois consideram que Christian Fittipaldi e, principalmente, Nelsinho Piquet não conseguiram igualar os resultados de Emerson e Nelsão.

O que a gente também não pode esquecer é que, apesar de a F3 Brasil ter formado um grid promissor com 16 carros e o automobilismo inglês ter histórico de revelar bons talentos, Pietro e Pedro competem em categorias um pouco distantes das mais badaladas. Claro que é importante vencer, mas esse resultado precisa ser relativizado.

Não estou dizendo que os dois não são bons o suficiente. Pelo contrário. Mas uma coisa é comemorar de forma merecida uma vitória importante, outra é vê-los no alto do pódio e já pensar “naquelas manhãs de domingo que não voltam mais…”

Para ver os resultados completos das corridas de Piquet e Fittipaldi, além do que aconteceu com praticamente todos os outros brasileiros que foram à pista neste fim de semana, basta clicar aqui.