Nem todo mundo é feliz na Nascar

A aventura de Nelsinho Piquet na Nascar pode estar acabando
A aventura de Nelsinho Piquet na Nascar pode estar acabando

Há alguns anos a Nascar apareceu como uma boa alternativa para a profissionalização dos pilotos ao redor do mundo. Com a categoria americana ganhando mercado fora dos Estados Unidos – principalmente na América Latina e na Europa – a presença de estrangeiros no certame se tornou comum.

Assim, a lista de quem tentou uma nova vida nos ovais não parou de crescer. Começando por Juan Pablo Montoya, nomes como Jacques Villeneuve, Dario Franchitti, Max Papis, Kimi Raikkonen, Narain Karthikeyan e até mesmo o campeão da World Series by Renault de 2006, Alx Danielsson, chegaram a competir nos Estados Unidos.

Só que foram poucos os nomes que conseguiram aproveitar essa expansão. Montoya, sem dúvida nenhuma, foi quem teve a carreira mais duradoura tendo competido na Nascar de 2007 a 2013. O colombiano, porém, deixou a categoria no fim do ano passado e acertou o retorno aos monopostos e à Indy pela Penske.

Villeneuve, Franchitti e Papis também acabaram buscando novas categorias, enquanto Raikkonen e Karthikeyan conseguiram retornar à F1.

Eddie Cheever vai correr na Nascar Europeia
Eddie Cheever vai correr na Nascar Europeia

Quem também não aproveitou esse sucesso da Nascar em outros lugares do mundo foram os pilotos brasileiros. Nos últimos anos, Nelsinho Piquet e Miguel Paludo competiram de forma integral nos EUA.

Após três temporadas na Truck Series e outra na Nascar East, Paludo já anunciou que não vai competir de forma integral em 2014, embora ainda espere competir em uma corrida aqui e outra ali.

Piquet, por sua vez, não divulgou planos para o ano, mas deu uma entrevista neste último fim de semana – à Jovem Pan, salvo engano – que vai começar o ano na Nascar, mas a partir de setembro o foco será correr na nova F-E, aquele campeonato de carros elétricos.

“Meu principal patrocinador, Worx, perdeu o interesse na Nascar, e eles estão tentando entrar na F-E”, disse o brasileiro.

Contudo, enquanto alguns pilotos saem da Nascar, outros chegam à categoria norte-americana. Filho do vencedor das 500 Milhas de Indianápolis de 1998, Eddie Cheever III anunciou na última semana que vai disputar a divisão elite da Nascar Europeia pela equipe italiana CAAL. O objetivo do garoto de 20 anos é disputar uma Daytona 500.

A Nascar Europeia foi uma daquelas categorias que surgiram por causa da expansão da Nascar. O campeonato conseguiu misturar alguns aspectos das corridas nos Estados Unidos – como a presença de carros como o Camaro, Impala e Mustang, além de provas em ovais – com a cultura europeia, andando em pistas tradicionais como Spa-Francorchamps, Brands Hatch e Le Mans.

Quem também está fechado para correr na Nascar Europeia em 2014 é Max Papis.

Um comentário sobre “Nem todo mundo é feliz na Nascar

  1. Pelo o que eu saiba, o foco do Nelsinho para esse ano é o Global Rally Cross e etapas da Nascar quando o calendário permitir. Ou ele mudou o alvo para a F-E, ou o inverso?

    Fica a lição, mais vale uma equipe grande na Truck que uma media na Nationwide.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s