Antes da F1, Charles Pic teve relativo sucesso na GP2
Antes da F1, Charles Pic teve relativo sucesso na GP2

Os primeiros dias de 2014 não estão sendo muito movimentados no mundo da F1. Com o noticiário tomado pela recuperação de Michael Schumacher, o maior destaque até agora tem sido a reestruturação técnica da Red Bull. Por causa do sucesso da escuderia austríaca nas últimas temporadas, os outros times fizeram boas propostas pelos engenheiros, e agora chegou a hora de os rubro-taurinos apontar os substitutos.

Nas categorias menores, a situação é um pouco diferente, com o mercado relativamente mais movimentado. Uma das novidades aconteceu na GP2, com o acerto da equipe Campos com Arthur Pic, irmão mais novo do piloto da Caterham e que estreia na categoria após três anos na World Series by Renault.

Esse acordo, na verdade, já era esperado. Quando a equipe Addax já dava sinais de abandonar o campeonato de acesso, os investidores de Pic já estavam entre os favoritos para realizar a compra. Como quem acabou escolhida para o lugar foi a Campos, foi questão de tempo para que todas as peças se encaixassem.

Levando em conta que a Campos é a sucessora da Addax na GP2, Arthur vai correr pela mesma equipe pela qual o irmão disputou o certame em 2011 e terminou com a quarta colocação na classificação geral. O caçula, portanto, está no caminho certo para tentar chegar à F1 no futuro.

Como os preços da principal categoria do automobilismo mundial estão cada vez maiores, dificilmente a família Pic conseguirá pagar para os dois correr. Por isso, resta a pergunta: qual dos irmãos é melhor e terá mais chances na carreira?

Arthur busca uma chance na carreira
Arthur busca uma chance na carreira

Geralmente, o mais novo é sempre apontado como mais promissor. Por uma questão de timing, não é raro o mais velho ter problemas de adaptação a uma categoria maior, enquanto o menor começa com um desempenho avassalador nas categorias de base. Aí cria a impressão que o novato é muito mais rápido.

Daí, quando eles atingem o mesmo patamar, a situação muda um pouco. O mais jovem também terá a mesma dificuldade natural de se adaptar a um novo campeonato, e aí fica mais claro ver o que cada um é capaz de fazer de verdade.

Como Charles e Arthur tiveram carreiras parecidas, é mais fácil comparar os números de ambos. Apesar de o irmão mais velho sequer ter pontuado na F1 até agora, ele teve uma carreira de maior destaque. Precisou de apenas um ano na F-Renault e dois na World Series by Renault até o pulo para a GP2.

Arthur, por sua vez, ficou duas temporadas no campeonato menor – onde teve um desempenho melhor que o irmão mais velho –, mas andou na WS por três temporadas, tendo conquistado apenas uma vitória.

O rendimento é ainda pior levando em conta que ele competiu pela mesma equipe Tech 1 que o irmão, em 2011, mas marcou somente 12 pontos. Nos dois campeonatos seguintes, o garoto correu por times estreantes – Dams e AV –, fechando sempre em oitavo na classificação geral. Sem impressionar, agora Pic-menor procura melhor sorte na GP2.

Charles também não está com a vida fácil. Após andar por Marussia e Caterham, o francês pode ficar sem vaga na F1 em 2014 e, consequentemente, poderá ser obrigado a procurar outro lugar para competir. Ou seja, se as coisas não andam bem para um, imagina para o outro.

Confira a comparação entre os irmãos:

Pic