Daniel Abt sabe bem o que vem pela frente na dureza do prélio da GP3
Daniel Abt sabe bem o que vem pela frente na dureza do prélio da GP3

Enquanto a GP3 enfrenta um longo e tenebroso inverno de dois meses de espera até a última etapa da temporada 2013, em Abu Dhabi, os pilotos envolvidos na batalha pelo título já não conseguem controlar a ansiedade e começam a imaginar como serão as corridas decisivas.

Quem não perdeu tempo foi Conor Daly. Quarto colocado na tabela e 34 pontos atrás do líder, Facu Regalia, o americano se antecipou aos adversários e voou para Yas Marina, onde participou de alguns dias de treinos de categorias locais. Tudo para aprender a pista o quanto antes – lembrando que a GP3 tem apenas um treino livre de 30 minutos – e sair na frente dos adversários.

Contudo, esse tempo de extra talvez não seja o suficiente para dar ao americano a taça, até porque a diferença para Regalia é bastante grande. Por isso, ele pegou algumas dicas com quem entende do assunto. Ao saber que Daly estava em Abu Dhabi, Daniel Abt, vice-campeão da GP3 no ano passado, disse ao antigo companheiro de equipe o que ele precisa fazer para ser campeão.

“Você só precisa que Facu tenha um pneu furado, Kvyat fique com o carro travado na sexta marcha e Korjus seja punido por excesso de velocidade em bandeira amarela. Depois, vença a corrida e se certifique de não ser superado por um certo cipriota. É fácil”, disse.

Conor Daly apontando o número de milagres que precisa para ser campeão
Conor Daly apontando o número de milagres que precisa para ser campeão

Talvez você esteja se perguntando quais são as chances de isso acontecer, não? São altas, claro! É porque essa foi justamente a decisão da GP3 no ano passado.

Em 2012, quem estava na quarta colocação do campeonato antes da etapa final – disputada em Monza – era Abt. Na corrida, o alemão viu o então líder do campeonato, Mitch Evans, abandonar com um pneu furado, António Félix da Costa travar o câmbio do carro na sexta marcha após tentar um bumpdraft na reta principal e Aaro Vainio ser punido por excesso de velocidade na Parabolica, na última volta.

Abt, de fato, venceu a primeira bateria daquele fim de semana, mas precisava repetir a dose na segunda se quisesse ficar com o título. Inacreditavelmente, o germânico fez uma ótima corrida e ultrapassou os sete carros à frente para assumir a ponta. Ele só não contava com ‘um certo cipriota’, Tio Ellinas, que conseguiu superá-lo na penúltima volta, dando assim o título a Evans por dois míseros pontos.

Ou seja, agora basta que Daly torça para o raio cair duas vezes no mesmo lugar e tomar cuidado com o desempenho de Ellinas para terminar o ano com o título.

Mas no caso do americano, ele tem duas vantagens com relação a Abt. Uma vitória e um segundo lugar lhe dão o título caso Facu Regalia não pontue. O argentino, por sua vez, corre o risco de não participar da prova por questões financeiras. Ele já disse que a equipe ART o está ajudando alargando o prazo para os pagamentos, mas ainda assim precisa de um investidor aparecer e garantir a presença nessa última corrida. Coisas improváveis podem acontecer para todos, não é mesmo?