Gato e rato em Baltimore

Helio Castroneves deixa Baltimore com 49 pontos de vantagem para Scott Dixon
Helio Castroneves deixa Baltimore com 49 pontos para Scott Dixon

A etapa de Baltimore da Indy, que colocou Helio Castroneves ainda mais próximo do título de 2013, foi uma verdadeira briga de gato e rato entre o brasileiro e Scott Dixon, o principal rival no campeonato.

No começo da prova, coube ao brasileiro a função de perseguidor, já que o adversário largava na pole-position e tinha todas as condições de descontar boa parte da diferença na tabela de pontos. Por causa disso, o piloto da Penske foi mais agressivo e se expôs ao erro. Assim, tocou na traseira de Josef Newgarden ainda nas primeiras voltas e foi obrigado a ir aos boxes para trocar a asa, voltando na última colocação.

E esse nem foi o maior problema de Helio na corrida. Quando estava tentando se recuperar do acidente inicial, o brasileiro apostou em uma estratégia de ficar na pista o maior tempo possível e fazer apenas mais uma parada. Só que no pit-stop decisivo, ele acabou perdendo muito tempo com uma falha no reabastecimento e, para piorar, ainda acabou punido com um drive-through por ter acertado um dos mecânicos.

Antes da parada, Helio já havia superado Sebastián Saavedra na luta por posições. Como o colombiano voltou dos boxes no quarto lugar, dá para imaginar o prejuízo que o brasileiro teve nesse momento da prova, ao deixar o pit-lane fora do top-10.

Mas a situação de Dixon também não era muito melhor. De perseguido, o neozelandês se tornou perseguidor ao ser ultrapassado tanto por Will Power quanto por Simon Pagenaud. Sabendo que a única forma de cortar uma boa diferença de pontos na Indy é vencendo corridas, o piloto da Ganassi sabia que precisava atacar se quisesse deixar a etapa com chances elevadas de erguer a taça no fim do ano.

Dixon se deixou vulnerável ao precisar retomar a ponta
Dixon se deixou vulnerável ao precisar retomar a ponta

Com isso, o piloto também ficou vulnerável. Embora não tenha sido culpado dos acidentes em que se envolveu, Dixon abriu espaço para ser tocado por Graham Rahal em uma relargada – envolvendo Castroneves também no meleé –, além da já polêmica batida com Will Power, quando foi forçado a abandonar.

Não há dúvidas de que o piloto da Penske foi culpado pelo acidente entre os dois. Apesar disso, a pressa de ganhar posições do neozelandês, visto que o maior rival na luta pelo título estava tendo uma corrida tumultuada, o colocou em uma situação arriscada. Ou alguém acha que três carros lado a lado na reta de Baltimore, com um hairpin na sequência, é uma boa ideia?

Dessa maneira, com Dixon fora da prova, Helio fez o que vem fazendo nas últimas corridas. Não correu riscos desnecessários, pagou o drive-through que estava devendo e ainda saiu da etapa com uma vantagem de 49 pontos na tabela.

A má notícia para Castroneves é que ele não conseguiu chegar ao número mágico de 64 pontos de vantagem para o adversário, o que lhe daria virtualmente o título de 2013. Explico. Quando Dixon venceu três corridas seguidas, em Pocono e em Toronto, ele tirou 63 pontos para o brasileiro. Como faltam três etapas, bastaria Helio igualar o desempenho naquelas corridas (um oitavo, um sexto e um segundo lugar) para ser campeão.

Por outro lado, o piloto da Penske chegou a uma pontuação importante. Estando 49 pontos atrás do piloto adversário, Dixon já não depende mais dos próprios resultados para ficar com o título. Mesmo que largue na pole-position e vença de ponta a ponta as últimas três corridas, ele só vai conseguir descontar 39 pontos para Castroneves, caso o brasileiro termine em segundo em todas elas.

E o que isso quer dizer em termos práticos? Que o neozelandês está cada vez mais pressionado e, consequentemente, aberto a se colocar em situações como o acidente com Power, que o tirou da etapa de Baltimore.

6 comentários sobre “Gato e rato em Baltimore

  1. Bom, pelo jeito, na Indy, este é o ano dos que só batem na trave…
    eu Tony (finalmente) nas 500 milhas, e agora o Helinho, ao que parece, levanterá o primeiro caneco de sua vida!!! Se bem que tá mais fácil, vendo as últimas corridas, o Dixon levar as três que restam, que o Castrinho chegar em segundo em todas(se isso acontecer)… Não tá tão na mão assim…

    Curtir

  2. O Helinho não é o mesmo de temporadas passadas e hoje não esta entre os 5 melhores mas vem tendo sorte que ele nunca teve na sua longa carreira vitoriosa mas sem titulos

    Curtir

  3. Hélio se deu bem com esse rolo do Dixon. Agora estou confiante que dessa vez ele consegue levar o título! Mas nas últimas corridas o desempenho dele não está muito bom não…

    Felipe, faz um post sobre a Nascar tb, plz! A próxima corrida é a última antes do chase e a briga está bem acirrada pelas últimas vagas, com risco grande de cara famoso ficar de fora!

    Curtir

  4. Estou torcendo pelo Hélio. Faz tempo que ele bate na trave na busca por esse título. O cara merece, pilota muito e muito carismático e humilde.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s