Daniel Ricciardo é o novo piloto da Red Bull
Daniel Ricciardo é o novo piloto da Red Bull

A Red Bull terminou com o mistério e anunciou nesta segunda-feira, dia 2, que Daniel Ricciardo será companheiro de Sebastian Vettel a partir de 2014. A equipe austríaca, assim, esnobou campeões como Kimi Raikkonen e Fernando Alonso para dar uma chance a uma cria da casa. O acordo é válido por três anos.

Há alguns pontos interessantes na negociação. O primeiro, claro, é a duração do contrato. Quando a Red Bull decidiu que Ricciardo ficará até 2016 não é por acaso. Todo mundo na equipe já tentou antever o que vai acontecer no mundial e, principalmente, no mercado de pilotos nos próximos três anos.

Como Vettel recentemente renovou o vínculo com o time até 2015, a permanência de Ricciardo até o ano seguinte já é uma indicação de que o alemão não deve continuar depois disso. Afinal, quando chegar a hora de o germânico mudar de equipe, precisar trocar os dois pilotos é a última preocupação que a Red Bull quer ter. Substituir o por enquanto tricampeão já vai ser um problema e tanto.

Eventualmente, com Ricciardo no último ano de contrato, se a Red Bull entender que também precisa substituí-lo, então terá flexibilidade o suficiente e poderá liberar o piloto. Do contrário, ele já está amarrado ao time até 2016.

O segundo ponto importante foi o anúncio da permanência de Jean-Éric Vergne na Toro Rosso. Com Ricciardo e Vettel presos ao menos até o fim de 2015 na escuderia principal, isso significa que o francês só vai ter alguma chance de promoção quando completar quatro temporadas no time italiano.

Com António Félix da Costa, Carlos Sainz Jr e Daniil Kvyat batendo na porta da Toro Rosso nos próximos anos, é muito provável que ele não consiga completar esses quatro anos. Vergne, portanto, está, usando um chavão, entre a cruz e a espada.

Se ele conseguir mostrar que é um piloto reconhecidamente vencedor, então poderá entrar como eventual candidato a substituto de Vettel. A favor do francês, pesa o fato de que, mesmo mais inexperiente, ele superou Ricciardo nos dois anos em que foram companheiros da Toro Rosso (além da época na World Series by Renault).

E isso abre uma nova questão. Por que a Red Bull preferiu o australiano, se ele perdeu o confronto direto com o companheiro de equipe? A melhor resposta é que os austríacos não o veem como uma ameaça a Vettel, enquanto é completamente capaz de somar pontos importantes – como vem mostrando ao chegar ao Q3 constantemente –, ajudando a conquistar o Mundial dos Construtores.

Com isso, ou Vergne poder de fato um dia vir a ser o substituto real de Vettel, ou então já seria bom ele começar a olhar categorias longe da F1.