Felipe Fraga aproveitou a folga da Stock Car para dar um pulo na Argentina
Felipe Fraga aproveitou a folga da Stock Car para dar um pulo na Argentina

Felipe Fraga voltou a fazer parte do automobilismo internacional. Depois de disputar a F-Renault Alps no ano passado, o brasileiro havia retornado ao país neste ano, competindo no Brasileiro de Turismo, o campeonato de acesso da Stock Car. Entretanto, a rotina do garoto mudou um pouco neste fim de semana. Ele viajou para a Argentina para competir na etapa de Termas do Rio Hondo da Top Race V6.

Não é segredo para quem acompanha o automobilismo brasileiro que Fraga se tornou uma espécie de protegido de Cacá Bueno. Desde que o piloto radicado no Tocantins retornou ao Brasil, ele vem seguindo os passos do megacampeão de olho em ter uma carreira de sucesso nos campeonatos aqui do país.

Por isso a decisão de ir para a Argentina. É que antes de ter vencido cinco títulos na Stock Car, Cacá participou de corridas no país vizinho, tanto da TC 2000 quanto do extinto Campeonato Sul-americano de Superturismo, onde foi campeão em 1999.

Como os certames argentinos são bem organizados e competitivos, mandar Fraga para lá foi uma decisão inteligente para permitir que o garoto acumulasse quilometragem na carreira em carros de turismo.

Convenhamos, o Passat de Fraga é muito mais legal que o carro do Brasileiro de Turismo
Convenhamos, o Passat de Fraga é muito mais legal que o carro do Brasileiro de Turismo

A única coisa é que ele precisaria corresponder na pista. E isso ele fez. É verdade que o fim de semana começou um pouco devagar para o piloto, ao marcar apenas o nono tempo entre 12 carros no primeiro treino, destinado aos competidores menos experientes. E a situação não pareceu melhorar com a 15ª posição no treino livre e o 16º, no classificatório.

Só que Fraga usou essas primeiras sessões para pegar a mão do carro. Uma vez mais adaptado, o brasileiro mostrou um bom ritmo de corrida. Na primeira bateria – ‘Sprint Race’ –, com metade do grid, o piloto completou as oito voltas na terceira colocação, fechando menos de 1s atrás do vencedor, Marcelo Agrelo.

Na corrida principal, a situação foi ainda melhor. Fraga partiu da 16ª posição, mas acabou tocado no começo da prova, caindo para o último lugar. A partir daí, ele veio se recuperando e conseguiu passar os adversários um a um para receber a bandeira quadriculada em sétimo, 10s1 atrás de Pechito López, que venceu de ponta a ponta.

O resultado foi positivo se comparar com o resto do grid. O companheiro de equipe de Fraga, Edgardo Lavari, foi somente o 14º. O brasileiro, por exemplo, ainda terminou apenas duas posições atrás de Esteban Guerrieri, que até ano passado estava na Indy Lights. Por isso não deixa de ser uma estreia promissora.