5 X de ouro

O Rallycross está crescendo, mas o grid ficou meio muxoxo nas últimas etapas
O Rallycross está crescendo, mas o grid ficou meio muxoxo nas últimas etapas

Mesmo fazendo parte dos X Games, o Global Rallycross viu a qualidade do grid cair nas últimas etapas. Depois de atrair nomes como Nelsinho Piquet, Mattias Ekström, Carlos Sainz e Buddy Rice nas rodadas internacionais, a categoria teve dificuldades para fortalecer o pelotão desde que retornou aos Estados Unidos.

Neste fim de semana, em Atlanta, a maior novidade foi a presença do ex-piloto do WRC Henning Solberg. Apesar disso, o norueguês não foi exatamente um reforço. Ele só entrou nesta etapa porque Travis Pastrana não pôde competir, já que estava em Watkins Glen na Nascar. No resto, os demais competidores foram praticamente os mesmos desde Foz do Iguaçu.

Para ajudar a categoria a sair desse marasmo, o World of Motorsport lista agora cinco atletas que poderiam entrar no grid do Global Rallycross  para torná-lo ainda mais interessante.

Sebastien Loeb

5) Sébastien Loeb

O francês não é exatamente uma novidade para o GRC. Competindo pela Citroën para variar um pouco, ele participou da etapa do ano passado em Los Angeles e conquistou o X de ouro sem maiores dificuldades. Na verdade, ele ainda contou com a sorte, já que os principais adversários tiveram problemas antes mesmo da corrida decisiva.

Como Loeb está buscando novos rumos para a carreira após dominar o WRC, ele podia dar uma chance ao rallycross ao mesmo tempo em que disputa o WTCC, o GT1, corridas de Porsche e de endurance. Caso ele encontre tempo para tudo isso, poderá se tornar o primeiro piloto a ser campeão tanto no Mundial de Rali quanto no Global Rallycross.

Laia Sanz

4) Laia Sanz

Um dos problemas do grid do GRC é não contar com uma mulher. Se a Nascar tem Danica Patrick e a Indy conta com Simona De Silvestro, por que a categoria dos X Games ainda não trouxe uma pilota? A solução para isso é Laia Sanz, a espanhola de 27 anos de idade.

Tendo acabado de vencer o X de Ouro em Los Angeles, na categoria Enduro X, a contratação de Laia seguiria com a filosofia dos X Games de colocar os ídolos para disputar modalidades diferentes e, consequentemente, aumentar o interesse do público. Ela, assim, daria os mesmos passos de Brian Deegan e Travis Pastrana, que também trocaram as motos pelos carros.

Se você ainda não está convencido da presença da pilota, talvez os 36 títulos conquistados em campeonatos de enduro e de trial nos últimos 12 anos, além de três participações no Dakar – sempre como a mulher mais bem classificada – o façam mudar de ideia.

2010 Formula One Young Driver Test

3)  Dean Stoneman

No Global Rallycross temos pilotos vindos da F1 (Scott Speed), das motos (Pastrana), do snowmobile (Steve Arpin), do Youtube do WRC (Ken Block) e de muitos outros lugares. Falta alguém que fez a carreira em esportes aquáticos. E a resposta é Dean Stoneman.

O britânico de 23 anos de idade é dono de uma das carreiras mais curiosas do esporte a motor. Campeão da F2 em 2010, Stoneman se preparava para fazer a transição para a World Series quando foi diagnosticado com um câncer nos testículos. O piloto ficou afastado das competições por um ano, mas conseguiu vencer a doença.

O retorno ao esporte aconteceu em 2012, mas não no automobilismo. Ele decidiu tentar a sorte em corridas de superlanchas, sendo campeão logo de cara, mesmo sem ter qualquer experiência na modalidade. Neste ano, enquanto o GRC não o chama, Stoneman disputa a Porsche Cup Inglesa.

Bob Burnquist

2) Bob Burnquist

Já faz algum tempo que a megarrampa é a principal atração dos X Games. Afinal, todo mundo quer ver os atletas sem qualquer tipo de juízo atingir a altura de um prédio de quatro ou cinco andares, em cima de um skate ou bicicleta, enquanto rodopiam no ar. E o maior nome da modalidade é o brasileiro Bob Burnquist, que já venceu oito medalhas de ouro no Big Air.

Maior medalhista da história dos X Games, Bob, porém, também já sofreu dois fortes acidentes. No ano passado ele bateu as costas na borda da rampa enquanto fazia uma manobra e precisou passar por um longo período de recuperação. Em 2013, ele voltou a cair, indo direto com o nariz ao chão, comprometendo o rendimento no restante da disputa.

Por isso, talvez já esteja na hora de o brasileiro considerar outra modalidade. Enquanto ainda domina a megarrampa, ele poderia começar a disputar as primeiras corridas de carro e desafiar Bucky Lasek no duelo entre melhor piloto-skatista.

Na verdade, eu queria colocar Tom Schaar na lista, mas acho que botar um garoto de 13 anos no Global Rallycross ainda não é muito prudente.

Ricky Carmichael

1)      Ricky Carmichael

O americano fez história na década passada ao se tornar um dos maiores nomes do supercross. Com 15 títulos na AMA, Ricky Carmichael recebeu o apelido de ‘Goat’, Greatest of All Time (O Maior de Todos os Tempos). Apesar disso, em 2007, ele deixou tudo isso para trás quando decidiu fazer a transição para a Nascar.

Após um começo bom na Nascar East, Carmichael se mostrou um piloto rápido na Truck Series, mas ficou conhecido mesmo por se envolver constantemente em acidentes. Depois de um tempo, a Monster Energy, o principal patrocinador nas corridas de carro, se encheu da brincadeira e resolveu dispensar o americano e passar a investir em Kyle Busch.

Sem apoio, Carmichael resolveu voltar às motos, onde agora ocupa o cargo de dirigente e conta com o apoio da Suzuki, para quem pilotou durante boa parte da carreira. O Global Rallycross, portanto, seria o recomeço perfeito para alguém que já foi lenda do esporte.

Anúncios

Um comentário sobre “5 X de ouro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s