Kevin Magnussen soube aproveitar como poucos o treino dos novatos
Kevin Magnussen soube aproveitar como poucos o treino dos novatos

A F1 está nesta semana em Silverstone para a disputa do treino dos novatos, aquela atividade que geralmente significa a primeira experiência de um jovem piloto na categoria. Neste ano, no entanto, a situação mudou um pouco. Por causa dos problemas de pneu enfrentados durante o GP da Inglaterra, a FIA mudou as regras e permitiu que as equipes escalassem os pilotos titulares.

Ainda assim, o número de novatos é bastante grande. Na média, praticamente todos os jovens de talento das categorias de base – além de Gary Paffett – estão em Silverstone para participar do teste. Por mais que alguns pilotos tenham reclamado da presença de pagantes, é inegável que quase todo mundo que se destacou nos campeonatos menores nos últimos anos acabou tendo uma chance nessas edições dos treinos dos novatos.

Entretanto, sempre alguém acaba ficando de fora. O World of Motorsport lista agora cinco pilotos que foram vetados ou não quiseram participar das atividades desta semana, mas com certeza teriam lugar cativo em qualquer equipe se apenas o talento fosse levado em conta.

Sam Bird

5) Sam Bird

Terceiro colocado na temporada 2013 da GP2, o britânico seria nome certo no treino dos novatos se não fosse o banimento aplicado pelo Tribunal Internacional da FIA à Mercedes devido ao treino secreto de pneus após o GP da Espanha.

Para piorar a situação do piloto, essa teria sido uma das poucas chances de andar com um carro de F1 na atual temporada, já que a escuderia alemã não deve tirar Nico Rosberg e Lewis Hamilton de um treino livre para deixá-lo andar. A favor de Bird pesa o fato de ele ter participado das últimas três edições do treino, então ficar de fora neste ano não é algo que vai deixá-lo triste para sempre.

Infelizmente para o britânico, as chances de ele chegar à F1 no futuro são pouco animadoras. Mesmo com um eventual título da GP2 neste ano, ele ainda vai precisar levar patrocínio – algo que não tem – se quiser descolar uma vaga em Williams ou Force India, equipes que recebem apoio da Mercedes. Outra opção seria aproveitar a ligação da Sauber com a Rússia (ele pilota para a Russian Time na GP2) para tentar ser companheiro de Sergey Sirotkin no ano que vem.

Vandoorne

4) Stoffel Vandoorne

Líder da World Series e atual campeão da F-Renault Eurocup, não deixa de ser uma surpresa Stoffel Vandoorne ter ficado de fora do treino dos novatos. Apesar disso, faz todo o sentido o representante do programa de pilotos da McLaren não ter sido escalado para as atividades de Silverstone.

Como a escuderia de Woking precisa desenvolver o carro se quiser terminar a temporada 2013 de maneira digna, nada mais natural que escolher pilotos experientes. Por isso, Gary Paffett e Oliver Turvey foram chamados. Para completar a escalação, a McLaren ainda teve Kevin Magnussen, eleito por este blog como o principal nome do treino dos novatos do ano passado. O dinamarquês ainda justificou a escolha ao ser o líder desta quarta-feira.

Sendo um representante do programa de pilotos da equipe inglesa e tendo Jenson Button como empresário, não há muitas dúvidas de que Vandoorne terá outras oportunidades de andar em um carro da F1. Talvez até mesmo no ano que vem, caso a McLaren feche um acordo parecido com o de Jules Bianchi e coloque o belga para andar na Marussia.

Raffaele Marciello

3) Raffaele Marciello

Faz todo sentido o representante da Academia da Ferrari e líder da F3 Europeia não ter sido chamado para andar na F1. Com a equipe italiana precisando ter alguma ideia para superar Red Bull e Mercedes na luta pelo título da temporada 2013, a escolha óbvia apostar em alguém mais experiente, como Davide Rigon.

O que pegou mal nessa decisão é que o veterano piloto italiano vai ter dois dias e meio de treinos, enquanto Marciello ficará no limbo. Ótima maneira de a Ferrari valorizar a própria Academia, não? Talvez ‘Lello’, como também é chamado, pudesse ter andado em meio dia de treinos em Silverstone e começar a adaptação à F1.

As chances de o piloto de chegar à principal categoria do automobilismo mundial no ano que vem é zero, sendo que a GP2 é o destino mais provável. A grande questão que fica, como para qualquer outro piloto da Academia, é se um dia a Ferrari vai colocar um jovem talento como titular ao invés de apostar em nomes já consagrados.

Formula One Young Drivers Testing in Abu Dhabi

2) Stefano Coletti

Líder da GP2, o monegasco é uma das ausências mais sentidas no treino dos novatos deste ano. Para tentar minimizar o fato de não ter ido a Silverstone, Coletti aproveitou enquanto os colegas estavam andando nos bólidos da F1 para publicar uma foto no Twitter mostrando que estava trabalhando no carro da GP2, focado em conquistar o título da categoria de acesso.

Apesar disso, não está claro se o europeu não participou da atividade por realmente preferir se manter concentrado em levantar a taça do campeonato menor ou se não tinha dinheiro para negociar uma vaga com as equipes da F1 para esta semana. Até porque, mesmo liderando a GP2, ele tem pouquíssimos patrocinadores pessoais.

Coletti, porém, já teve a oportunidade de participar do treino dos novatos antes. Tendo patrocínio pessoal da Red Bull, ele tomo parte do teste de 2011 pela Toro Rosso, quando teve um desempenho aceitável. Justamente pela falta de patrocinadores, talvez mesmo com o título da GP2, chegar à F1 no ano que vem pode se tornar um sonho distante.

Felipe Nasr Red Bull

1)      Felipe Nasr

Não é porque sou brasileiro que estou colocando Nasr no topo da lista, mas, sim, por dois motivos. Em primeiro lugar, ele é praticamente o único piloto top da GP2 que jamais teve uma chance em um carro da F1 até agora e, em segundo lugar, seria interessante ver como ele conseguiria se sair com os pneus Pirelli da categoria principal, uma vez que vem se mostrando muita habilidade em economizar a borracha no certame de acesso.

Assim como Coletti, Nasr já afirmou que não quis participar dos treinos desta semana para focar na GP2. Com a categoria chegando a um momento decisivo, e a etapa da Hungria marcada para a próxima semana, o brasileiro não quis se dar ao luxo de perder uma semana de preparação e virar a chave para pensar em F1.

Enquanto ele ainda não teve uma chance nos carros da F1, o brasileiro deve alcança-la próximos anos. Além de contar com um bom patrocínio de empresas aqui do Brasil, ele ainda é empresariado por Steve Robertson, que foi o responsável por levar Jenson Button e Kimi Raikkonen ao certame.