Não há dúvidas de que António Félix da Costa está sendo preparado pela Red Bull
Não há dúvidas de que António Félix da Costa está sendo preparado pela Red Bull

Não há mais nenhuma dúvida de que António Félix da Costa está sendo preparado para assumir uma vaga na Red Bull nos próximos anos. A maior prova disso aconteceu neste sábado, dia 27, durante o treino classificatório da etapa de Aragón da World Series by Renault. Pouco depois de receber a bandeira quadriculada, o luso ficou parado na pista por causa de uma pane seca.

Dessa forma, o piloto da Arden Caterham perdeu o terceiro lugar obtido no grid e foi obrigado a largar da última colocação.

Vale lembrar que a Red Bull passou por esse problema na F1 duas vezes recentemente. A primeira aconteceu no GP de Abu Dhabi do ano passando, com Sebastian Vettel, então na luta pelo terceiro título. Naquela prova, o germânico ainda conseguiu se recuperar, subindo ao pódio em terceiro.

Mark Webber, por sua vez, foi ‘sorteado’ pela RBR no GP da China deste ano. Depois de também ficar sem combustível no Q2 da classificação, o australiano viveu uma maré de azar em Xangai, culminando com uma roda solta durante a corrida, o que forçou o abandono.

Agora foi a vez de Félix da Costa passar pela mesma situação. Como na World Series os carros são iguais e a duração da corrida é menor, o luso fez  uma boa prova de recuperação, mas acabou apenas no 13º lugar, sem conseguir marcar pontos. Assim, o português continua com 25 pontos na classificação geral, enquanto Kevin Magnussen, o líder, já soma 61.

Agora o piloto luso está 36 pontos atrás de Magnussen na classificação geral
Agora o piloto luso está 36 pontos atrás de Magnussen na classificação geral

É claro que pane seca geralmente é consequência de erro humano, ainda mais em uma categoria de base, mas há uma explicação para o que aconteceu neste sábado. Pressão.

No ano passado, como FDC não havia disputado todo o campeonato da World Series by Renault, a equipe Arden Caterham não estava pressionada. Independentemente do que o luso fizesse nas provas, o resultado já seria melhor que a última colocação de Lewis Williamson, que começou o ano pelo time.

Dessa vez a história é diferente. Félix da Costa é o favorito absoluto ao título da WS, então nem ele, nem a equipe podem errar. O problema é que o fim de semana em Aragón começou com Kevin Magnussen, da Dams, tendo um desempenho assombroso, sendo o mais rápido nos três treinos realizados.

Para tentar parar o dinamarquês – ou ao menos diminuir o prejuízo – a Arden Caterham precisou ir no limite para o treino classificatório, daí a margem elevada para o erro  que deu na pane seca.

O resultado foi terrível para o lisboeta, que soma apenas 25 pontos em três corridas até aqui, graças à vitória na segunda prova de Monza. É claro que está muito cedo para falar qualquer coisa, e FDC tem tempo suficiente para se recuperar, mas esse início tumultuado de temporada pode pesar. Se ele acabar o ano com o vice-campeonato, devido a uma diferença menor que 26 pontos com relação a Magnussen, a culpa terá sido desse fraco início.