Alexander Rossi finalmente vai ter uma chance na GP2
Alexander Rossi finalmente vai ter uma chance na GP2

Ou a Caterham é muito corajosa, ou é muito burra. No início da manhã desta quarta-feira, dia 17, a equipe malaia anunciou uma profunda reestruturação no time valendo já para este fim de semana do Bahrein. Heikki Kovalainen está de volta como piloto de teste – e vai andar no primeiro treino livre de Sakhir e de Barcelona –, enquanto Alexander Rossi foi rebaixado para o time da GP2, onde substituirá Qing Hua (huahuhauahuahau) Ma.

Não há nenhuma dúvida de que esta decisão já estava tomada há algum tempo, ao menos desde o GP da Malásia. Porém, como Ma estava escalado para participar do primeiro treino no GP da China, o time optou por manter tudo em segredo até esta semana e garantir o dinheiro trazido pelo piloto chinês.

De um ponto de vista esportivo, o time sai ganhando. Kovalainen é o melhor nome disponível para ajudar a Caterham a melhorar o desempenho. O veterano piloto finlandês, aliás, também serve como um parâmetro, afinal, ninguém sabe se os carros verdes são tão ruins quanto parecem ou se o problema são os pilotos.

Vai que Kovalainen entre na pista no Bahrein sem nenhuma atualização, mas termine na frente de Jules Bianchi, o que é bem possível. Aí ficaria claro que o problema não é o carro. Por outro lado, mesmo ficando para trás, com a experiência que tem na F1, o finlandês também poderia dar um feedback muito mais completo ao time após a atividade.

Heikki Kovalainen Angry Birds helmet
The angry bird is back!

Na GP2, o ganho também é significativo. É verdade que Ma levava um bom dinheiro para o time, mas tanto ele quanto Sergio Canamasas não eram competitivos. Com Rossi na vaga, mesmo que de forma interina, a escuderia passa a ter um piloto de talento comprovado por onde passou, ainda que seja um novato neste ano.

Se um dia a Caterham planeja ver Rossi em um dos carros titulares – o que eu duvido caso não haja um bom aporte financeiro –, é interessante para o time dar ao americano o maior seat-timing possível.

Com Rossi e Kovalianen, a Caterham foi corajosa em reformular a equipe ainda no mês de abril e tentar dar a volta por cima o quanto antes, já que a Marussia parece cada vez mais tranquila rumo à décima colocação – e a respectiva premiação em dinheiro – no Mundial de Construtores.

Por outro lado, isso mostra a fragilidade do time para este ano. Será que ao contratar Giedo van der Garde e Charles Pic a escuderia jamais percebeu que corria sério risco de ficar para trás, dependendo do trabalho de dois novatos para evoluir? Imagino que sim, mas eles também consideraram que o dinheiro entrando era mais interessante.

Deu no que deu. Se o dinheiro entrou de um lado – via pilotos pagantes – agora corre o risco de sair do outro – com o fim das premiações.