Antonio Pizzonia vai correr no WEC em Silverstone
Antonio Pizzonia vai correr no WEC em Silverstone

É verdade que o futuro do Brasil na F1 e na Indy é tenebroso para os próximos anos, já que os representantes do país estão cada vez mais perto da aposentadoria e a renovação de pilotos é quase inexistente.

Apesar disso, essa situação não se repete em todos os campeonatos. Um bom exemplo é o Mundial de Endurance (WEC), que terá quatro pilotos do país em algumas etapas. Fernando Rees segue na Larbre, onde compete desde que passou a se dedicar às corridas de longa duração, enquanto Lucas Di Grassi (Audi) e Bruno Senna (Aston Martin) chegaram neste ano após passagens frustradas pela F1.

Dos dois, apenas Bruno está garantido na temporada toda. Lucas, por sua vez, vai disputar a corrida da Bélgica e as 24 Horas de Le Mans. É provável que o brasileiro também compita em São Paulo, mas ainda não houve um anuncio oficial por parte da Audi quanto à participação do piloto em Interlagos.

Já o último representante do país foi anunciado na última semana. De forma até que surpreendente, Antonio Pizzonia fechou com a equipe ADR Delta para correr na etapa de abertura do certame, em Silvertone, no dia 14 de abril.

A escuderia anglo-australiana já declarou que pretende contar com o manauara em toda a temporada, mas o acordo ainda não foi fechado.

Vale lembrar que Pizzonia também está confirmado para a disputa da Grand-Am, onde divide um dos carros da equipe de Michael Shank com Gustavo Yacaman.

É verdade que não há conflitos de datas entre as corridas da Grand-Am e do WEC, mas o ex-piloto de F1 precisará enfrentar uma maratona caso seja confirmado em ambos os campeonatos. É que praticamente há um choque de compromissos nas 24 Horas de Le Mans.

As cerimônias da corrida francesa começam no dia 16 de junho, uma semana antes do começo da prova. Ao mesmo tempo, a Grand-Am corre em Mid-Ohio no dia 15. Assim, o manauara precisaria pegar um voo no fim da corrida para chegar a Le Mans a tempo de participar de todas as festividades obrigatórias.

Além disso, em alguns momentos do ano o piloto vai precisar competir em fins de semana consecutivos. Isso talvez não seja um problema para uma categoria como a Nascar, mas a parte física pode falar mais alto em um certame com provas de longa duração, como o WEC.