Neil Alberico não teve adversários na Flórida
Neil Alberico não teve adversários na Flórida

Ontem escrevi aqui no World of Motorsport que Nick Cassidy se tornou o primeiro piloto a comemorar um título em 2013, ao conquistar o bicampeonato da Toyota Racing Series. O neozelandês, porém, não foi o único a celebrar neste último fim de semana. Quem também sentiu o gosto que conquistar um caneco foi o americano Neil Alberico, que trinfou no campeonato de inverno da USF2000.

Ao contrário da TRS, cujo calendário se espalha ao longo de 15 corridas em cinco semanas de competição, a USF2000 foi um verdadeiro torneio de tiro curto. Ao todo, foram seis corridas em seis dias, nas pistas de Sebring e de Palm Beach, na Flórida.

Por causa disso, a competição não é tão levada a sério pelas equipes. Alguns times, como a Belardi, optaram apenas por andar em Sebring. Outros ainda estão definindo os pilotos para 2013 e por isso não estiveram presentes. De qualquer forma, o grid foi bem cheio e teve 22 carros em Sebring e quatro a menos em Palm Beach.

Entretanto, Alberico não se importou com nada disso. O piloto conquistou cinco vitórias e cinco poles para terminar como campeão. O americano, que precisa fazer uma boa temporada em 2013 para deixar o estigma de eterna promessa, não encontrou adversários durante toda a disputa e em algumas corridas conseguia ser quase 1s por volta mais rápido que os demais carros. Ponto para a equipe Cape Motorsport, atual bicampeã da USF2000.

É claro que uma diferença tão absurda entre pilotos competindo com carros teoricamente iguais sempre abre espaço para algum tipo de estranheza.

Danilo Estrela subiu ao pódio em Sebring
Danilo Estrela subiu ao pódio em Sebring

Ainda assim, o regulamento da competição sempre beneficia quem larga na frente. Embora sejam seis corridas, há apenas dois treinos classificatórios – um por etapa. Nas demais baterias, o grid é formado pela melhor volta de cada piloto na corrida anterior. Por isso, as chances de o vencedor da prova conseguir largar na frente são maiores. Mas isso também provoca algumas situações curiosas, com um piloto voltas atrás por causa de algum acidente retornar à pista apenas para completar alguns giros em ritmo de classificação e poder largar melhor na bateria seguinte.

Essa tática deu certo para a Cape. Na primeira corrida, em Sebring, James Fletcher – aquele piloto vindo da Fórmula Jedi – abandonou, mas ainda assim conseguiu fazer uma volta rápida o suficiente para largar em terceiro na bateria seguinte e garantir o primeiro pódio da carreira no certame norte-americano.  No restante do fim de semana, a única vez que Alberico perdeu uma pole foi na primeira bateria de Palm Beach, quando Scott Hargrove – o terceiro piloto da Cape – largou na frente e venceu.

Se Alberico teve bons motivos para comemorar o fim de semana, os brasileiros também puderam fazer um balanço positivo da participação no certame. Ao todo, três pilotos do país participaram da competição: Danilo Estrela, Felipe Donato e Arthur Oliveira.

Dos três, Estrela foi quem teve o melhor desempenho. Depois de anos militando na Skip Barber, o goiano teve uma estreia bastante positiva na USF2000. Ele competiu apenas na etapa de Sebring, quando subiu uma vez ao pódio (depois de largar em quinto), terminou uma vez no quinto posto e abandonou na outra oportunidade. A equipe Belardi ficou satisfeita com o desempenho e resolveu não tomar parte das de Palm Beach.

Felipe Donato viveu um drama nos EUA
Felipe Donato viveu um drama nos EUA

Quem também correu o risco de ficar de fora da etapa final foi Felipe Donato. O gaúcho foi uma das surpresas da lista de inscritos, já que essa foi a primeira vez que ele voltou a participar de uma corrida desde o fim da F-Futuro, há mais de um ano. No entanto, nem tudo deu certo para o garoto. Logo na chegada a Sebring, o piloto sofreu com um problema no câmbio e só conseguiu ir à pista pela primeira vez apenas na segunda bateria. Com isso, só acumulou um abandono e um 15º lugar.

A situação mudou em Palm Beach. Frustrado com os problemas da etapa anterior, Donato conseguiu um acordo de última hora com a equipe ArmsUp e enfim pôde competir. Ou quase. Tragicomicamente, o carro teve um problema no treino livre, e o piloto mais uma vez só conseguiu andar no treino classificatório.

Apesar disso, o desempenho nas corridas foi bom. Na primeira bateria, Donato terminou na quinta colocação ao herdar uma série de posições por causa de acidentes dos adversários. Depois, na segunda corrida, fez uma boa largada e estava em terceiro quando foi punido por bloquear um adversário. De qualquer forma, ele ainda conseguiu salvar dois top-10 no resto do fim de semana.

O último representante do país foi Arthur Oliveira, que faz a transição o kartismo para os monopostos em 2013. O paulista teve dificuldades para acompanhar o ritmo dos primeiros colocados e teve a oitava posição na primeira corrida de Palm Beach como melhor resultado.

Para encerrar, é difícil cobrar qualquer coisa em termos de resultado para os brasileiros neste fim de semana. O grid da USF2000 é bastante qualificado e muitos pilotos já estão começando a segunda ou terceira temporada no certame. Alberico, por exemplo, já chegou a competir na Europa. Por isso, o importante é aprender o campeonato neste ano, e o que vier a partir daí é lucro.

Um último detalhe que vale a pena mencionar é o renascimento do automobilismo canadense. Dos oito primeiros colocados, cinco nasceram ao norte da fronteira dos Estados Unidos. É muito cedo para falar qualquer coisa, mas quem sabe o país pode voltar a viver a boa fase da década de 1990, quando praticamente todo ano surgia um piloto de ponta na Indy.