Com um pouco de vermelho, a Lotus apresentou o E21 nesta segunda-feira
Com um pouco de vermelho, a Lotus apresentou o E21 nesta segunda-feira

Dizem que o ano só começa depois do carnaval, mas não é isso o que acontece na F1. A principal categoria do automobilismo mundial deu a largada para a temporada de 2013 nesta segunda-feira, dia 28, com a apresentação do primeiro carro para o novo campeonato. Quem deu às honras foi a Lotus, que exibiu o novo E21 em uma cerimônia breve na fábrica de Enstone.

A equipe inglesa até inovou ao transmitir para o mundo inteiro a apresentação pelo YouTube. Entretanto, fora isso, todos os clichês desse tipo de evento estiveram presentes.

A mãe de todos os lugares comuns é deixar as fotos do novo carro vazarem antes da apresentação oficial. E isso a Lotus cumpriu com destreza. Antes da festança, a equipe gravou algumas entrevistas com os pilotos e permitiu a entrada de algumas pessoas para ver o que estava acontecendo. Desnecessário dizer que nessa época de smartphones e tecnologia digital tudo caiu na internet.

Assim, a apresentação do carro não passou da comprovação do que todo mundo já havia visto algumas horas atrás. Mesmo assim, eles foram em frente e mostraram á máquina como se fosse uma novidade, com direito a aquela brega cerimônia de puxar o pano.

Com o E21 enfim revelado, ainda deu tempo do último clichê: usar partes falsas durante a apresentação para evitar espionagem. A Lotus, na verdade, já havia se utilizado dessa tática no ano passado, quando o carro que foi à pista para os treinos coletivos era ligeiramente diferente do apresentado.

Detalhe da suspensão, do degrau e dos calombos estranhos e desproporcionais
Detalhe da suspensão, do degrau e dos calombos estranhos e desproporcionais

Neste ano, a situação se repetiu. A asa dianteira é praticamente a mesma de 2012 – embora pintada com o novo layout –, além de algumas partes na parte da frente do carro e na saída do difusor estarem tampadas. Por isso, nessas áreas, ainda é difícil dizer como será o equipamento. Da mesma forma, a equipe ainda pode ter escondido alguma arma secreta, que só vamos saber na próxima semana, quando começam os treinos em Jerez.

De qualquer forma, mesmo com a estratégia da equipe, é possível analisar algumas novidades do carro de 2013. Começando pela frente do E21, já dá para notar que o degrau no bico está de volta, ao menos por enquanto. Para 2013, a FIA mudou o regulamento e permitiu que as equipes colocassem uma peça para tapar o degrau do caro. No entanto, como a medida não é obrigatória, a Lotus optou por não segui-la.

Apesar disso, o diretor-técnico da escuderia, James Allison, já afirmou que pode considerar o uso da tampa do degrau em breve. Segundo o engenheiro, a nova peça é um peso extra, por isso não compensa o uso. No entanto, como degrau gera uma turbulência aerodinâmica e essa ainda é a asa dianteira de 2012, pode ser que em Jerez o carro já apareça sem o degrau. Assim, a decisão aqui é ver se o peso extra da tampa compense o tempo perdido com o desnível.

Ainda na parte da frente do carro, a Lotus optou por continuar com a suspensão em pushrod no eixo dianteiro. Desde o ano passado, a Ferrari começou a usar a solução pullrod, o que deu uma pequena vantagem aerodinâmica ao time. Pode ser que outras equipes a sigam, mas a Lotus preferiu se apegar ao conceito original.

Pela imagem em 3D dá para perceber uma segunda entrada de ar nos carros
Pela imagem em 3D dá para perceber uma segunda entrada de ar no carro

Continuando no E21, a Lotus divulgou algumas fotos com o carro tendo uma espécie de orelha ao lado da entrada de ar. Esse segundo duto do ar – que não estava no modelo debaixo do pano durante a apresentação – indica que o carro terá a evolução da asa traseira móvel, em 2013, a asa passiva.

Esse artifício já havia sido testado pela escuderia desde o treino livre do GP da Alemanha de 2012, mas acabou não indo à pista em corridas porque a Lotus não conseguiu fazê-lo funcionar. Esse duto extra serve para levar o fluxo de ar das tais orelhas até a asa traseira, diminuindo o arrasto nos trechos de alta velocidade, mesmo quando o DRS não estiver acionado. Como o uso da asa traseira móvel foi bastante limitado para 2013, essa técnica pode render segundos preciosos para as equipes.

O único problema é que o fluxo de ar não pode acontecer nas curvas de baixa velocidade, pois acaba travando a asa traseira em uma posição que diminui o downforce produzido. Como o piloto não pode controlar o acionamento do duto – algo proibido pelo regulamento desde 2012 –, a solução da Lotus foi fazer com que o peso do ar dentro acionasse o dispositivo. Na teoria, a ideia é boa, mas foi exatamente isso que a equipe não conseguiu fazer em 2012.

Pela imagem lateral, dá para ver o escapamento em estilo coanda
Pela imagem lateral, dá para ver o escapamento em estilo coanda

Tão importante quanto a evolução da asa traseira é o escapamento. Para o próximo campeonato, a Lotus decidiu seguir o estilo coanda, que nada mais é que a criação de um caminho no sidepod e no assoalho do carro para que o ar expelido passe. Aqui, o ar quente sai entre o difusor e o pneu traseiro, criando uma barreira para evitar que a turbulência da rotação do eixo traseiro atrapalhe o fluxo de ar no difusor, maximizando o downforce produzido.

Para encerrar, alguns detalhes curiosos. A asa traseira tem uma espécie de barbatana na asa traseira, algo que já tinha na McLaren de 2012. Na parte da frente, há alguns calombos no degrau, que já estavam presentes no carro do ano passado. No entanto, dessa vez eles não são simétricos. Não há uma explicação para isso.

Por fim, a mudança mais visível da Lotus é a presença do vermelho. Como a equipe passou a ser patrocinada pela Coca-Cola, que estampa a marca Burn. Como as cores da bebida é vermelho e dourado/amarelo, a mudança do layout da equipe foi algo natural.