Sebastian Vettel terminou em terceiro na estreia na Espanha
Sebastian Vettel terminou em terceiro na estreia na Espanha

Se tem uma categoria que vem crescendo nos últimos anos é a F3 Open, antiga F3 Espanhola. Com um custo muito menor que os demais certames da modalidade, o campeonato conseguiu atrair, em 2012, um grid de quase 30 carros em todas as etapas e promete ainda mais competidores para este ano.

É verdade que o nível dos atletas está um pouco abaixo do encontrado nas demais F3, mas sem dúvida a Open é um oásis nos grids cada vez mais desertos das diferentes F3.

Curiosamente, quem percebeu como esse campeonato era legal antes mesmo de se tornar popular foi o hoje tricampeão da F1 Sebastian Vettel. No ano de 2005, o agora piloto da Red Bull foi escalado para participar da etapa de Albacete da modalidade como uma forma de acelerar o processo de adaptação aos carros mais velozes.

Naquele momento, a carreira do germânico ainda enfrentava altos e baixos. O piloto vinha de um título dominante na F-BMW Alemã, quando venceu 18 das 20 corridas em que participou. No entanto, a adaptação em um F3 estava sendo muito mais lenta que o esperado. Das primeiras oito provas que disputou na F3 Euro de 2005, Sebastian pontuou apenas em duas.

Por isso, a Red Bull resolveu agir. Aproveitando o intervalo de quase um mês entre as etapas de Mônaco e de Oschersleben, a empresa rubro-taurina resolveu preencher a agenda do germânico para que ele acumulasse mais quilometragem. Assim, nesse tempo livre, Vettel foi escalado para correr na etapa de Albacete da F3 Espanhola e no Masters de F3.

O alemão guiou o carro número 3 da Racing Engineering
O alemão guiou o carro número 3 da Racing Engineering

No campeonato ibérico, a empresa austríaca fechou um acordo com a poderosa Racing Engineering, que passaria a inscrever um carro extra para o alemão. Nos primeiros treinos, o germânico chamou a atenção por rapidamente se entrosar com os mecânicos e perguntar praticamente tudo sobre o funcionamento do carro.

Ainda se adaptando à pista, o alemão conseguiu o quinto lugar no grid de largada. O piloto manteve a posição no começo da prova, mas conseguiu ultrapassar Andy Soucek – que viria a ser o campeão daquele ano – na 11ª volta. Depois disso, ainda contou com a sorte para avançar ao terceiro posto após o abandono de Álvaro Barba.

Vettel, por fim, grudou no segundo colocado, mas não conseguiu a ultrapassagem, fechando a prova apenas 0s4 atrás de José Manuel Pérez-Aicart. O vencedor foi Javier Villa, também da Racing Engineering, que anos mais tarde ficaria conhecido por militar na GP2.

Após o pódio, Vettel ainda aproveitou para mostrar à equipe que havia aprendido algumas palavras em espanhol antes de se despedir.

O resultado em Albacete, aliás, pareceu ter dado resultado nos planos da Red Bull, já que o germânico voltou a pontuar na etapa de Oschersleben da F3 Euro. Até o fim daquele campeonato, o piloto ainda conseguiu subir ao pódio em seis oportunidades, mostrando que finalmente estava completamente adaptado aos carros mais velozes.