2012 World of Motorsport Rookie of the Year

Tal qual esta foto, Jean-Éric Vergne teve uma temporada com partes altas e partes baixas em 2012
Tal qual esta foto, Jean-Éric Vergne teve uma temporada com partes altas e partes baixas em 2012

Quando estreei o World of Motorsport, em 2010, uma das coisas que propus a fazer era criar um sistema de pontuação para analisar o desempenho dos pilotos novatos na F1. Como a principal categoria do automobilismo mundial não tem uma classificação à parte para os estreantes – assim como acontece nos esportes americanos – era necessário montar um método que pudesse ser usado em qualquer temporada.

Para poder avaliar os jovens pilotos do campeonato, decidi montar essa classificação. Assim, após cada GP do ano, pontuei os novatos no clássico esquema 10-6-4-3-2-1, além de dar bônus para cada ponto que marcassem no campeonato normal da Fórmula 1.

No primeiro ano, Vitaly Petrov – então na Lotus – superou Nico Hülkenberg e Kamui Kobayashi para terminar como novato do ano (você pode clicar aqui para ver como foi), enquanto no campeonato passado Paul Di Resta venceu Sergio Pérez e Pastor Maldonado. O post de 2011 está aqui.

Nesses dois anos, o número de estreantes na F1 foi grande, então o sistema razoavelmente deu certo. É claro que hoje podemos discutir o que aconteceu com Petrov e Di Resta e se de fato eram pilotos melhores que Hulk, Koba, Pérez e Maldonado. Entretanto, naquela época eles foram, como comprova o desempenho na pista.

Dessa vez, a F1 teve apenas dois novatos: Jean-Éric Vergne e Charles Pic. Um competindo pela Toro Rosso e o outro pela fraquíssima Marussia. Quer dizer, você não precisa chegar até o final deste post para saber que JEV teve um desempenho final melhor que o compatriota. Isso é óbvio.

Por isso, em 2012, é possível dizer que o sistema falhou pela primeira vez. É claro que Vergne resultados superiores aos de Pic, justamente por ter um carro muito melhor, e por isso o título de Novato do Ano é inquestionável.

Charles Pic passou despercebido por 2012, mas o desempenho do francês foi bom no geral
Charles Pic passou despercebido por 2012, mas o desempenho do francês foi bom no geral

Entretanto, a impressão que veio da pista é justamente a contrária. De uma forma geral, Pic andou melhor que Vergne se não levarmos em conta a limitação do equipamento. Embora tenha pontuado quatro vezes no ano, sempre com oitavos lugares, JEV chamou a atenção negativamente em dois momentos no campeonato. O primeiro, em Valência, ao se envolver em um acidente bobo com Heikki Kovalainen em plena ponte.

Esse incidente ainda tem um agravante, já que o francês estava disputando posições com um carro da Caterham. Em situações normais, seria inconcebível a Toro Rosso duelar com as equipes nanicas. O segundo ponto em que JEV pecou foi nos treinos classificatórios. Dos 20 disputados em 2012, ele foi eliminado no Q1 em nove oportunidades e só largou à frente de Ricciardo nos GPs da Espanha, Hungria, Bélgica e Estados Unidos.

Pic, por sua vez, foi um piloto que pouco errou em 2012. Por mais que ele não tivesse um bom ritmo de prova, foram poucas batidas ou rodadas. Na verdade, os seis abandonos do francês foram por causa de problemas mecânicos. O desempenho GP do Brasil, por fim, foi uma espécie de cereja do bolo. Em Interlagos, por muito pouco Pic não conseguiu segurar Vitaly Petrov para garantir o décimo lugar da Marussia no Mundial de Construtores.

Vale lembrar que Pic não tinha Kers, enquanto o adversário podia usar, além do artifício, também a asa traseira móvel.

Na comparação contra o companheiro de equipe, que completava o sexto ano na F1, Pic largou seis vezes na frente e superou o parceiro em sete resultados finais, incluindo o importante GP do Brasil. O ponto fraco do francês, no entanto, também veio nos treinos classificatórios, quando largou em último em três oportunidades.

Embora pouco signifiquem esses números relativos entre Pic e Glock são melhores que os apresentados por JEV contra Ricciardo.

Aliás, falando no australiano, cabe uma explicação de por que ele – nem Romain Grosjean – não disputou o título de Rookie of The Year em 2012. Ambos já tinham uma passagem pela F1, quando estouraram o número mínimo de provas para serem considerados novatos. De acordo com o sistema criado por mim, um piloto pode participar desta competição à parte desde que tenha estreado na categoria após a temporada europeia da F1 no ano anterior.

É por isso que Kamui Kobayashi foi considerado novato em 2010, mas Grosjean e Ricciardo não puderam repetir isso nesta temporada.

Indo às formalidades, Jean-Éric Vergne somou 200 pontos ao longo do campeonato para conquistar o prêmio de World of Motorsport Rookie of the Year de 2012. Pic, por sua vez, ficou com 136, finalizando na frente do compatriota em apenas quatro oportunidades.

Rookie of the Year:

Jean-Éric Vergne 200
Charles Pic 136

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s