Felipe Nasr terminou com a segunda colocação no GP de Macau de 2011 com seu carro cor de banana

Felipe Nasr está de volta à F3. Depois de conquistar o título da F3 Inglesa em 2011, o brasileiro foi anunciado ao lado de outros 29 pilotos para a disputa do GP de Macau, marcado para o dia 18 de novembro, novamente pela Carlin.

Após o título britânico, Nasr disputou a GP2 na última temporada, terminando na décima colocação, com quatro pódios conquistados. Embora já esteja em um degrau mais acima do automobilismo, o brasiliense revelou que a vitória em Macau é uma espécie de objetivo da carreira.

Em 2011, o triunfo passou perto. O piloto brasileiro tinha um dos carros mais rápidos do grid, disputando a vitória até o final contra Marco Wittmann – o favorito – e Daniel Juncadella. O espanhol levou a melhor em batalhas que chegaram a ter quatro carros lado a lado nas retas e conquistou a taça. Você pode relembrar como foi a corrida clicando aqui.

Agora, para tentar a sonhada vitória em Macau, Nasr deixa a GP2 de lado por alguns dias para se dedicar novamente à F3.

Ao contrário de 2011, quando apesar de ter um dos melhores carros o brasileiro não tinha tanta pressão para ser o vencedor, dessa vez Felipe tem obrigação de vencer. De todos os 30 inscritos, Nasr é o piloto mais experiente tanto em termos de títulos quanto do momento de carreira.

Dos 30 participantes, 27 disputaram uma F3 ou a GP3 em 2012, enquanto Nasr já está na GP2. Para completar a conta, Kevin Korjus (inscrito pela pequena Double R) tomou parte da World Series by Renault e Alex Sims (da ainda menor T-Sport) disputou corridas de endurance. O último piloto com currículo mais extenso é Antonio Félix da Costa, que se dividiu entre GP3 e World Series neste ano e faz parte do programa de pilotos da Red Bull.

Além de ser o piloto mais experiente do grid, Nasr ainda conta com um histórico positivo de participação dos competidores da GP2 em Macau. Desde a criação da categoria de acesso da F1, em 2005, Felipe será o terceiro piloto a competir na tradicional prova asiática. Em 2007, Bruno Senna tomou parte da corrida pela equipe Double R, mas ficou pelo caminho em um final de semana bastante conturbado.

Em 2009, foi a vez de Edoardo Mortara retornar aos carrinhos da F3 após um ano bastante ruim na GP2, onde chegou com pinta e promissor, mas acabou superado com extrema facilidade pelo companheiro de equipe, um mexicano bastante rápido chamado Sergio Pérez. Em Macau, o italiano mostrou todo o talento e conquistou a primeira das duas vitórias da carreira no GP.

Edoardo Mortara venceu pela primeira vez em Macau, em 2009, depois de correr na GP2 por uma temporada

Fora da GP2, nos últimos anos, outros dois pilotos também fizeram a transição de carros mais potentes para o F3 em busca da vitória na antiga colônia portuguesa. Em 2008, Roberto Streit deixou a F-Nippon, mas acabou abandonando nas ruas de Macau. Três anos antes, em 2005, então campeão da World Series by Renault, Robert Kubica aceitou retornar à F3 para terminar no segundo lugar em uma prova que teve vitória de Lucas Di Grassi e Sebastian Vettel no pódio.

Dito isso, quais seriam as chances reais de Nasr vencer em 2012? Tudo vai depender do equipamento que ele tiver em mãos. Vale lembrar que a F3 mudou o carro nesta temporada, e o imbatível chassi #016 – com o qual Jaime Alguersuari, Daniel Ricciardo, Jean-Éric Vergne e Nasr foram campeões – agora é peça de museu.

Além desse problema de adaptação, também vai depender de qual equipe o brasileiro vai à disposição. Provavelmente, os engenheiros com quem trabalhou em 2011 já estão com outros pilotos, ou seja, dificilmente ele vai conseguir repetir o mesmo ambiente de trabalho do último ano. Portanto a grande questão é se o aprendizado por competir na GP2 será suficiente para superar esses obstáculos.

Por fim, vale lembrar que a Carlin está em uma situação um pouco melhor que no ano passado. Em 2011, a equipe disputava apenas a F3 Inglesa e por isso estava um pouco atrás das equipes da F3 Euro – que tem um regulamento ligeiramente diferente – nessas corridas combinadas. Neste ano, o time inglês tomou parte dos dois certames e certamente tem muito mais informações para ajudar seus seis piloto em busca do triunfo em Macau.