Guilherme Silva subiu ao pódio em Paul Ricard ao lado de Daniil Kyvat e Stoffel Vandoorne

A temporada 2012 de Guilherme Silva, na F-Renault Europeia, estava se aproximando de um marasmo perigoso. Nas sete primeiras corridas do ano, o mineiro terminou na zona de pontos em cinco oportunidades, mas sempre finalizando em nono ou décimo. Assim, embora tenha sido presença constante entre os dez primeiros, o piloto não conseguiu evoluir na tabela de pontos.

Para piorar, nas três corridas seguintes, Guilherme passou longe do top-10, desabando na tabela conforme os rivais iam conseguindo melhores resultados. Ou seja, mesmo tendo completado mais provas na zona de pontos que os adversários, o último campeão da F-Futuro era superado por pilotos que conseguiam terminar entre os cinco primeiros em uma única corrida, mesmo que fossem presença constante no fim do grid nas demais etapas.

Apesar de essa ser a realidade na tabela de pontos, não se engane, o desempenho do brasileiro era digno de muitos elogias pela imprensa europeia. Afinal, mesmo competindo por uma equipe mediana como a Interwetten, Silva conseguiu constantemente andar entre os dez primeiros.

Mas faltava um bom resultado, aquele que até mesmo adversários mais fracos estavam conseguindo. Esse bom desempenho aconteceu neste sábado, dia 29, na primeira corrida da etapa de Paul Ricard. Na prova, o brasileiro se classificou na sexta posição no grid de largada e conseguiu ultrapassar Oliver Rowland e Oscar Tunjo. Depois, ainda foi beneficiado pela punição a Javier Tarancón para conquistar o primeiro pódio da carreira na F-Renault Eurocup.

Esse é um resultado bastante importante para Silva. Além de significar a consolidação no automobilismo europeu, também representa o fim de um jejum de dois anos e cinco meses sem pilotos brasileiros no pódio da categoria.

Aliás, mais do que isso. O mineiro é apenas o terceiro piloto brasileiro a terminar entre os três primeiros de uma corrida na atual versão da F-Renault Europeia, iniciada em 2005. Antes dele, André Negrão foi o terceiro colocado na etapa de Spa-Francorchamps de 2010, em uma corrida disputada debaixo de muita chuva, em que o paulista chegou a brigar pela ponta, mas acabou em terceiro, atrás de Kevin Korjus e Miki Weckstrom.

O outro pódio foi de Cesar Ramos, curiosamente também em Spa-Francorchamps, em 2008. Na ocasião, o piloto gaúcho havia largado na 12ª posição, mas terminou no segundo posto, sendo batido apenas pelo holandês Paul Meijer.

Para encerrar, o ano de 2012 tem sido bastante rico em termos de pilotos brasileiros voltando a conquistar pole-position e vitórias no exterior, algo que já foi assunto de um post aqui no World of Motorsport. É claro que não dá para saber até aonde esses garotos vão chegar, mas ficam cada vez menos dúvidas de que se trata de uma geração fortíssima do automobilismo brasileiro.