Todo mundo quer a F-Renault

Ninguem sabe quais equipes podem fazer parte do grid da F-Renault em 2013

A temporada 2012 da F-Renault ainda não terminou, mas as equipes já estão começando a se preparar para 2013. Assim, não se assuste se um monte de novos nomes começar a fazer parte da categoria nas duas últimas etapas, em Paul Ricard, nesse fim de semana, e em Barcelona, nos dias 20 e 21 de outubro.

As novidades, no entanto, não devem ser apenas quanto aos pilotos. Com a mudança na regra para a participação das equipes no próximo campeonato, não é nada absurdo que as escuderias façam de tudo para poder participar do certame.

Como a F-Renault cresceu absurdamente – e de maneira inexplicável – nos dois últimos anos, a direção do campeonato resolveu restringir o número de participantes. Há alguns meses, os dirigentes anunciaram que apenas 12 equipes poderão competir em 2013, com cada uma alinhando três carros obrigatoriamente.

Ou seja, times como a Koiranen e a Tech 1, que chegaram a inscrever cinco pilotos, e a Fortec, com sete (!), estão com os dias contados nesse formato.

A relação das 12 equipes selecionadas para a próxima temporada só deve ser divulgada após o fim do atual campeonato, mas a organização já avisou que as escuderias que disputaram 2012 terão preferência em se manter no certame.

A Fortec tem inscrito 32489324 carros nas últimas temporadas

No entanto, alguns times menores já se reuniram para avisar que dificilmente terão condições de inscrever três carros em todas as etapas. Por isso, a tendência é que a Renault relaxe um pouco essa regra e feche a lista de inscritos com equipes inscrevendo também dois equipamentos.

Em 2012, a F-Renault Europeia teve 13 times competindo, embora dois – Atech Reid e Mark Burdett – não tenham participado de todas as etapas. Assim, caso não se comprometam a correr de forma integral no próximo ano, só há uma vaga restante para completar a dúzia de escuderias.

As outras 11 equipes de 2012 foram Koiranen, Josef Kaufmann, Fortec, Tech 1, KTR, Epic, Interwetten, R-Ace (ART Grand Prix), Arta, Manor MP e RC, sendo que a maioria manteve a média de três carros por etapa.

Se a Renault mantiver a decisão de que teremos apenas 12 equipes – com dois ou três carros – em 2013, então há somente uma vaga em aberto. O ‘problema’ é que diversas escuderias já anunciaram que estão de olho nesse posto.

A primeira a se manifestar publicamente foi a Prema, equipe com a qual Augusto Farfus foi campeão em 2001, mas se afastou da categoria há alguns anos. Aliás, a gigante italiana está tão interessada no campeonato, que já encomendou dois chassis. A estreia acontece na versão Alps – com Bruno Bonifácio e Luca Ghiotto –, mas a intenção do time é fazer a transição para a Eurocup já em 2013.

Quem deve fazer essa mesma tática é a AV Racing, equipe do ex-piloto da GP2 Adrian Vallés. O novo time espanhol também correrá na etapa da Alps e contará com Tatiana Calderón, Emanuele Zonzini e Egor Orudzhev.

O último time a já ter anunciado que está de olho nas vagas da Eurocup é a MGR, que atualmente corre na Inglaterra pela F-Renault Barc. A equipe deve estrear no campeonato Norte-Europeu ainda neste ano, mas sempre pensando na transição para o europeu.

Além dessas três escuderias, a indefinição sobre a existência de certames como a F-Abarth em 2013 pode fazer com que mais equipes estudem essa migração. Alguns rumores apontam que a suíça Jenzer e a italiana BVM Target podem seguir a Prema e tirar o foco dos campeonatos juniores da Itália e se transferirem para a F-Renault.

Fora isso, nos últimos anos, times como a Cram e a One correram na F-Renault Eurocup, mas foram obrigados a deixar o campeonato por falta de pilotos e patrocinadores. Portanto, não seria surpresa se na hora de formular a lista de inscritos de 2013 acabassem levando esse histórico em conta.

No final, ainda é difícil fazer alguma previsão sobre quem serão os participantes no próximo ano. Nesse momento, há duas opções bastante claras. A primeira é que a lista de inscritos pode ter mais de 12 equipes. Embora o numero de carros continue em 36, levando em conta que alguns times podem ter apenas duplas, isso abre espaço para mais escuderias.

A outra opção é a possibilidade de fusão entre os times. Para 2012, a equipe holandesa MP tinha vaga garantida, mas a inglesa Manor queria correr na Eurocup. A solução encontrada pelas escuderias foi se juntar neste campeonato. Para o ano que vem, se a determinação de três carros por equipe realmente virar a regra, a união dos times menores pode ser uma boa solução para acomodar todos os interessados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s