Jack Harvey pode suceder Felipe Nasr como campeão da F3 Inglesa

Jack Harvey tem uma pequena chance de conquistar o título da F3 Inglesa neste final de semana, em Silverstone. Líder do campeonato, o britânico precisa marcar todos os pontos em jogo – vencer as três corridas e acumular os bônus de pole-position e volta mais rápida –, além de torcer para que Felix Serralles marque apenas quatro durante toda a etapa.

Ou seja, é improvável que Harvey leve o título por antecipação, mas não impossível. Caso o piloto seja bem sucedido nessa façanha, ele será apenas o segundo britânico a ganhar a F3 Inglesa nos últimos dez anos. O outro foi Mike Conway, que desbancou Bruno Senna e Jaime Green, em 2006.

Um eventual título de Harvey seria simbólico por dois motivos. Em primeiro lugar, seria uma espécie de joia da coroa no desempenho dos pilotos ingleses em 2012. Não é exagero dizer que neste ano, os britânicos dominaram o esporte a motor. Até agora, os pilotos nascidos no país já venceram um campeonato de grande expressão e estão na briga por vários outros.

O primeiro título veio na Auto GP, com Adrian Quaife-Hobbs. O segundo, na F-Renault Norte-Europeia, mas ainda é preciso definir quem vai levantar a taça, já que Jake Dennis, Jordan King e Josh Hill – filho de Damon – ainda estão no páreo. Completando o muro dos campeões, na Star Mazda é bastante difícil que Jack Hawksworth não seja o ganhador deste ano.

Quem também pode engrossar a lista são Gary Paffett e Jaime Green, que lideram o DTM, além de Robert Huff, do WTCC, que ocupa a segunda colocação do certame.  Já na World Series by Renault, Sam Bird também está no segundo posto. E olha a lista poderia crescer muito mais…

A diferença entre esses possíveis triunfos e o de Harvey é que o piloto da Carlin é o único que corre na própria Inglaterra. É uma forma não só de prestar contas, mas também de dar alguma alegria à torcida inglesa, sempre tão presente nos autódromos.

O segundo motivo tem a ver com esse primeiro. Em 2012, o automobilismo inglês foi bastante desfalcado. Estreando novos carros, a F3 Inglesa e a F-Ford tiveram que aguentar grids minúsculos durante a maior parte das etapas. Já a F-Renault UK não teve a mesma sorte e foi extinta no início de ano por falta de participantes.

Portanto, esses títulos são uma forma de os britânicos dizerem que apesar de todos os problemas internos eles continuam vencendo. Então, a crise no esporte a motor não é só um problema dos nascidos ali na Ilha da Grã-Bretanha, mas de todos os pilotos no geral.