Finalmente a Chevrolet resolveu colocar o Camaro na Nascar

A Chevrolet surpreendeu nesta quinta-feira, dia 26, ao anunciar a notícia mais óbvia dos últimos anos. Pode parecer contraditório, mas todo mundo sabia que em algum momento a montadora iria confirmar a entrada do Camaro na Nascar Nationwide Series. Afinal, os modelos da categoria foram desenhados para receber os chamados muscle cars, isto é, Dodge Challenger, Ford Mustang e o próprio Camaro.

Só que na estreia desse novo carro, em 2010, a Chevy decidiu colocar o Impala ao invés do Camaro para competir. Fazia sentido para os planos de marketing da montadora, mas os carros passavam em um branco perto dos belíssimos Challenger e Mustang.

Aí era uma questão de tempo para corrigir o erro. Aproveitando o início dos treinos em Indianápolis, a Chevrolet convocou a imprensa para anunciar a chegada do Camaro. É verdade que ninguém esperava que o anúncio fosse feito hoje, até porque ele deveria ter acontecido dois anos atrás.

Como a Toyota não tem um equivalente aos muscle cars, o Camry deve continuar como representante da montadora. Então, é provável que enquanto essa geração de carros da Nationwide durar, não veremos mais mudanças entre os modelos.

Dito isso, vale apontar dois detalhes curiosos. O primeiro é que a etapa de Homestead-Miami, que será disputada no final de novembro, marca o fim do Impala na Nascar. Além de ser substituído pelo Camaro na Nationwide, o tradicional carro da Chevrolet também vai dar lugar ao novíssimo SS na Sprint Cup.

Assim, quem quiser ver o Impala em ação vai precisar buscar em categorias como a Nascar East/Wesr, a Arca e os Late Models. No entanto, vai saber quando a Chevrolet decidirá ressuscitar o modelo da próxima vez, então acho que esse não será o fim do clássico carro na categoria norte-americana.

O outro detalhe interessante é saber qual vai ser a primeira equipe a utilizar o icônico Camaro amarelo com linhas pretas, também chamado de ‘Babobi’, para as crianças, ou Bumblebee, se você tiver mais que seis anos de idade. Eu tomei a liberdade de abrir o Photoshop – que não sei mexer – para simular o novo visual. Ficou muito melhor, sem dúvidas.