Daniel Juncadella venceu o Masters de F3, em Zandvoort, mas e agora? O que ele vai fazer da carreira?

Daniel Juncadella conquistou uma vitória histórica neste final de semana no Masters de F3, em Zandvoort. O espanhol chegou à tradicional pista holandesa como favorito absoluto à competição e não teve maiores dificuldades para garantir a segunda taça em uma espécie de ‘mundial’ de F3. A outra conquista, claro, havia sido o GP de Macau, no final do ano passado.

Assim, Juncadella se tornou o quarto piloto da história a vencer tanto o Masters de F3 quanto em Macau, se juntando a uma seleta lista que também conta com David Coulthard, Takuma Sato e Alexander Prémat. Um trio de respeito, certamente, se analisar que todos tiveram uma passagem pela F1 – ao menos em testes – e sempre estiveram em categorias top. E isso torna a conquista de espanhol ainda mais curiosa, afinal, a expectativa em cima do piloto aumenta ainda mais.

Juncadella não teve maiores dificuldadees para ficar com a vitória na Holanda

O problema é que Juncadella faz parte do programa de jovens pilotos da Mercedes, mas jamais escondeu que a ambição é chegar à F1. Só que a gigante germânica impede que seus pilotos disputem categorias cujos motores são fornecidos por outra montadora, ou seja, o espanhol não pode correr na GP2 ou na World Series (ambas com propulsores da Renault) enquanto tiver contrato com a empresa de Stuttgart.

Aí, o espanhol tem duas escolhas. A primeira é rescindir com a Mercedes e seguir o rumo natural da carreira. Por ser sobrinho de Luiz Pérez-Sala, as chances de alcançar a F1 enquanto o tio for diretor da HRT são bastante grandes, ainda mais por contar com bons patrocinadores como a Astana, equipe cazaque de ciclismo.

Mas e depois? Será que vale a pena abrir mão de um contrato com a Mercedes para apenas correr pela HRT? Isso se a equipe existir. Ninguém sabe o futuro da escuderia espanhola daqui a dois ou três anos, que é o tempo que o jovem piloto ainda deve demorar nas categorias de base. Por outro lado, Juncadella poderia ser adicionado pela Mercedes ao programa da montadora no DTM, onde as chances de ser competitivo são muito maiores que na HRT.

De qualquer forma, independentemente da escolha, Juncadella já colocou seu nome na historia da F3. Agora só falta garantir o campeonato da Euro Series para rechear o currículo de títulos antes de decidir o próximo passo da carreira. Seja qual for a escolha, o espanhol chegará valorizado, afinal, não são muitos os competidores que têm um retrospecto tão positivo.

P.S.: há um detalhe curioso nas duas vitórias, já que Daniel Juncadella se tornou o primeiro piloto a ter vencido o Masters e a etapa de Macau em anos distintos, graças às três temporadas de experiência que tem na F3. Sato, Coulthard e Prémat levantaram as taças no mesmo ano