Koiranen bros
A Koiranen surgiu para disputar campeonatos nórdicos de F-Renault e F3, mas nos últimos anos se tornou uma das principais equipes do mundo da modalidade

Esse final de semana está sendo um prato cheio para quem gosta da F-Renault. Embora a próxima etapa da Eurocup esteja marcada para a próxima semana, em Nurburgring, dessa vez tanto o campeonato Norte-Europeu (NEC) quanto o Alps (Suíça+Itália) foram à pista.

O primeiro está justamente em Nurburgring (puxa, que coincidência) para a disputa da segunda rodada da temporada 2012, enquanto o segundo viajou à Spa-Francorchamps para a quarta etapa.

Entre os brasileiros, apenas o certame Alps tem representantes. Nele correm Guilherme Silva (pela equipe Interwetten), Felipe Fraga (Tech 1) e Gabriel Casagrande (Mark Burdett), além de Gustavo Lima e você Victor Franzoni (Koiranen). Só que o paulista desfalca a equipe finlandesa nesta etapa devido a um grave acidente sofrido no início do mês também em Spa.

Só que a Koiranen não tem muito com o que se preocupar. Mesmo sem Franzoni, o time terá seus principais pilotos (Patrick Kujala, Esteban Ocon, Daniil Kyvat e Stefan Wackerbauer) na pista, além o saudita Saud Al Faisal, que entra no lugar do brasileiro durante essa etapa.

Apesar disso, o curioso dessa história toda não é apenas a substituição de Franzoni por um saudita, mas a preferência da Koiranen em disputar o campeonato Alps ao invés do Norte-Europeu.

Em primeiro lugar, competitivamente falando, não me parece uma escolha muito boa. Com duas rodadas em Nurburgring consecutivas da F-Renault (embora sejam de dois campeonatos diferentes) seria mais vantajoso para os jovens pilotos competirem na Alemanha nessa semana pela NEC, aprenderem a pista e retornarem ao campeonato europeu, no próximo sábado, já sabendo de cor o circuito.

Por isso, as equipes que foram competir no Norte-Europeu – como a Josef Kauffmann e a R-Ace (ART Grand Prix) – saem em vantagem na próxima semana.

Daniil Kyvat sabe que precisa continuar na frente para evitar reclamações da Red Bull

Mas o estranho dessa história toda é que a Koiranen é um time originalmente vindo do norte da Europa. A equipe foi criada pelos irmãos Koiranen para disputar os campeonatos nórdicos da F-Renault e de F3 nas últimas décadas, mas o time cresceu e acabou ganhando projeção europeia.

O grande boom da escuderia aconteceu em 2010, quando Kevin Korjus surpreendeu o mundo e conquistou o título da F-Renault Europeia, batendo os favoritos Arthur Pic, André Negrão e Aaro Vainio de maneira incontestável. Antes disso, a equipe tinha um currículo não muito extenso, com o principal destaque tendo sido revelar Valtteri Bottas, hoje na Williams.

Com o título de Korjus, a Red Bull se aproximou da Koiranen e passou a injetar seus euros no time finlandês. Assim, gente como Kyvat, Wackerbauer, além de Carlos Sainz Jr já pasaram pela escuderia. Em troca do dinheiro da empresa austríaca, parece que a equipe foi, digamos, convidada a deixar suas origens nórdicas para trás e focar em um campeonato cuja maior parte das etapas acontece na Itália, além de um round no próprio Red Bull Ring, na Áustria.

No final, essa coisa de origem das equipes não quer dizer muita coisa. É curioso saber como a Koiranen surgiu e tudo o que ela está sendo obrigada a passar para contar com a grana rubro-taurina. Mas, na pista, o que vale é o resultado. Enquanto o time seguir nas primeiras colocações, dificilmente ele voltará a competir na NEC.

Aí o drama fica para semana que vem. Se Kyvat & Cia mantiveram os bons resultados na Eurocup, ninguém vai lembrar que a equipe esteve em Spa nesta semana de preparação. Do contrário, caso as equipes da NEC se sobressaiam, talvez esteja na hora desse tipo de decisão ser reavaliada. Afinal, a Koiranen chegou como favorita à Alps, mas já está apanhando da RC. Se perder a ponta também na Eurocup, certamente a situação não ficará nada boa por lá.