Aos 48 anos, Dindo Capello decidiu deixar Le Mans para trás

As 24 Horas de Le Mans terminaram no início do domingo, mas a tradicional corrida de longa duração ainda segue rendendo assuntos. Principalmente por causa da Audi, que após o 1-2-3 na França será obrigada a reestruturar a sua principal parceria formada por Allan McNish, Tom Kristensen e Dindo Capello.

Embora McNish tenha sido criticado por causar o acidenta na 21ª hora de competição, que resultou no fim de qualquer chance de vitória para o Audi de número 2, não o escocês que será trocado. Quem cai fora do trio é Dindo Capello, que completou 48 anos justamente no domingo da corrida.

O italiano, que está com a montadora desde 1999 e venceu a tradicional corrida em três oportunidades, resolveu que está na hora de parar. Assim, o trio com McNish e Kristensen se separa após seis anos, um triunfo em Le Mans e três nas 12 Horas de Sebring.

Com a saída de Capello, evidentemente, todo mundo quer saber quem será o novo piloto da Audi no endurance. Afinal, a partir de agora, a montadora tem duas grandes opções. A primeira é a contratação direta de algum atleta para formar o trio com os outros dois veteranos. A outra, mudar os times internos e puxar algum dos demais competidores que estiveram em Le Mans.

Não se assuste se a Audi considerar Marc Gené para a vaga

O mais provável, no momento, é a segunda opção. Eu não acharia absurdo arriscar que Marc Gené será o substituto de Capello. O espanhol foi contratado pela Audi no início desse ano para a função de piloto reserva – geralmente ocupada por algum novato – após a Peugeot ter desistido do endurance de última hora.

Talvez, a Audi já soubesse do desejo de Capello em parar e resolveu trazer alguém experiente ao perceber a oportunidade com o fim da rival francesa. Enquanto isso, Gené acabou tendo o debute na montadora alemã acelerado para esse ano, já que Timo Bernhard sofreu um grave acidente durante os treinos para Le Mans e se lesionou.

Assim, ainda é puro palpite, mas eu não ficaria surpreso caso os germânicos confirmem Tom Kristensen, Allan McNish e Marc Gené como o principal trio do time a partir do próximo ano.

Ainda sobre Le Mans, um detalhe curioso sobre Anthony Davidson. Após decolar na corrida, ao ser fechado por uma Ferrari retardatária, o inglês segue internado, com fraturas em duas vértebras. Nessa segunda-feira, ele recebeu a visita de alguns mecânicos, que lhe deram de presente o espelho retrovisor do carro de número 8, assinado por toda a equipe.

Quando viu o presente, ainda deitado na maca, o piloto perguntou: “Isso é tudo que sobrou do carro?”