Paul Di Resta lidera a fila de pilotos especulados nas grandes equipes

Paul Di Resta vem se tornando uma espécie de coringa nos boatos que envolvem o mercado de pilotos para a próxima temporada. O escocês já foi especulado na Ferrari – graças a um empurrão do compatriota Jackie Stewart –, mas também acabou ligado a McLaren e Mercedes, que devem mexer no plantel, já que os contratos de Lewis Hamilton e Michael Schumacher acabam nesse ano.

É curioso como o piloto da Force India aparece bem cotado entre as equipes. Ao contrário de Sergio Pérez e Pastor Maldonado (com quem formou o grupo de novatos da F1 na temporada passada), Di Resta não teve nenhuma atuação espetacular. Enquanto Pérez perdeu o GP da Malásia para Fernando Alonso e Maldonado venceu na Espanha justamente contra o espanhol, o primo de Dario Franchitti não foi além da sexta colocação.

No entanto, a regularidade vem falando mais alto. Di Resta pontuou em quatro dois seis GPs até agora, com direito a um sexto lugar (Bahrein) e dois sétimos. Pérez, por outro lado, não soma pontos desde o segundo posto em Sepang, enquanto Maldonado terminou no top-10 em apenas uma oportunidade fora a vitória. Assim, o piloto da Force India soma 21 pontos, apenas um a menos que o adversário da Sauber. Maldonado está um pouco mais à frente, com 29.

Outro fator que transformou Di Resta em queridinho das equipes é a experiência do piloto no DTM. Durante quatro temporadas – entre 2007 e 2010 –, o escocês correu pela Mercedes no turismo alemão. Mesmo com a pressão por substituir o lendário Bernd Schneider, o piloto conseguiu corresponder, venceu seis vezes e conquistou o título antes de se mudar para a F1.

Assim, o escocês pode conseguir uma transferência para uma grande equipe na próxima temporada. Candidatas não faltam, mas em um determinado time, as chances do piloto são próximas do zero: na Red Bull.

Veja como o escocês fica preocupado quando falam do futuro dele na F1

Di Resta foi o principal adversário de Sebastian Vettel nas categorias de base. O duelo entre os dois na F3 até foi assunto de um post aqui no World of Motorsportque você pode clicar aqui para relembrar. No entanto, enquanto o alemão seguiu rumo à F1 e ao bicampeonato, o escocês se viu no ostracismo do DTM.

Para piorar, Vettel rapidamente se tornou um ídolo na categoria principal. Pontuou logo na estreia – em um GP dos EUA em substituição a Robert Kubica –, quase venceu com a Toro Rosso no GP do Japão daquele mesmo ano de 2007, finalmente triunfou na temporada seguinte e conquistou o bicampeonato.

Di Resta, por sua vez, assistiu a tudo isso da Alemanha, enquanto pilotava para a Mercedes. É verdade que a carreira do escocês passou longe de ser ruim, mas ele não se conformava. Durante os anos, era comum ver o piloto falar que não entendia como não recebia uma chance na F1 se ele já havia derrotado Sebastian Vettel. E a cada conquista do alemão, o rival falava que poderia ter feito melhor.

Ou seja, com uma possível ida para uma grande equipe, Di Resta finalmente vai ter a chance de desbancar o antigo rival. Mas não espere uma transferência para a Red Bull. Dificilmente Vettel vai querer o adversário por perto, nos próprios domínios.