Acho que poucas vezes vimos algo tão bizarro em um pódio

Para encerrar os comentários sobre a edição 2012 da etapa do Anhembi da Indy, chegou a hora de falar do pódio. Ah, o pódio. Se você assistiu à transmissão da corrida, viu que foi uma das cenas mais bizarras dos últimos anos na história do automobilismo.

Caso você não tenha visto – o vídeo está lá embaixo –, eu narro resumidamente o que aconteceu. Para começar, a estrutura do palco estava montada de forma errada. Estava em 3-2-1 e não o correto 2-1-3. Aqui não dá para falar se foi erro da organização, ou se a etapa de São Paulo quis inovar, mas caso seja esse o motivo não deu para perceber a razão.

Depois, os responsáveis pelo cerimonial esqueceram de avisar os pilotos o que seria feito. Desde o começo, tinha um trofeu destinado ao autor da melhor volta da prova, que acabou sendo Josef Newgarden. O problema é que o garoto sequer foi avisado disso. Aí, o narrador oficial fez toda aquela pompa para chamá-lo, mas ele deveria estar na garagem já se preparando para a viagem de volta aos Estados Unidos.

Na hora de premiar os três primeiros também não deu certo. Takuma Sato, o terceiro colocado, foi o primeiro atleta chamado pelo narrador, mas quem apareceu na frente foi Will Power! Com a situação feita, aí apareceram Ryan Hunter-Reay, além do próprio piloto nipônico.

Mas nada, nada ganha do aconteceu em seguida. Na hora de abrir o champanhe – que na verdade é uma cerveja especial da patrocinadora da corrida –, esqueceram de deixar a rolha frouxa para os pilotos. Então, os três primeiros colocados receberam garrafas fechadas e fizeram o possível para abrir na mão a garrafa.

Depois de fazerem muita força, Will Power tentou usar uma parte do troféu para tirar a rolha, assim como acontece em balcão de bar. Hunter-Reay, por sua vez, se abaixou e foi usar o degrau do pódio. Um verdadeiro vexame. Cenas que ninguém parecia acreditar no que estava acontecendo.

Após muito esforço, apareceu alguns mecânicos da Penske, que conseguiram abrir as garrafas com alguma ferramenta originalmente usada para fazer ajustes nos carros ou trocar pneus.

Will Power e o leite paulista
Quem não se lembra do leitinho na primeira edição da corrida paulistana?

No final das contas, fica o vexame para o patrocinador. Entretanto, acredito que ao menos eles deram sorte de o pódio ter sido formado por pilotos como Power e Sato – além de Hunter-Reay – que souberam levar o problema para o lado esportivo. Penso que seria muito pior caso a falha acontecesse na F1 ou com pilotos mais sisudos, que assim que constatassem o problema nas garrafas, apenas as deixassem de lado antes de continuar a comemoração.

Pelo menos, bem ou mal, todo mundo em algum momento comentou sobre o incidente do pódio, o que deve ter gerado algum interesse pela patrocinadora da corrida.

Por fim, eu não concordo com a opinião extremista de que é essa a imagem que o Brasil manda para os outros países. Imagino que a opinião de Sebastian Vettel e Martin Whitmarsh sobre a América do Sul não ser um local seguro pouco tem a ver com o que acontece no pódio após as corridas.

O que fica é um problema na organização da prova. É curioso, aliás, porque a estrutura que foi montada no Anhembi realmente é muito boa. Entretanto, essa sequência de erros nas cerimônias pega mal para todo mundo.

Vale lembrar que dois anos atrás os pilotos também não haviam sido avisados sobre o leite no pódio. Aí Will Power – sempre ele se fo.. – teve que se virar com a caixinha. Agora um erro grotesco na hora de abrir as garrafas. Bizarro. Acho que o óbvio nesse momento é que os responsáveis pelo cerimonial precisam dar uma treinada um quanto antes.

Veja a cerimônia do pódio:

P.S.: no vídeo oficial da Band sobre o pódio, toda a cena dos pilotos abrindo – ou não – as garrafas foi cortada. A cena fica tão bizarra, que entram três boas mulheres para entregar a cerveja, mas quem sai do pódio acaba sendo alguns homens, os mecânicos da Penske. Basta clicar aqui para ver.