Que tipo de pessoa aluga um Mini?

Uma pequena história dos bastidores da Indy em São Paulo para começar os trabalhos aqui no Anhembi. Não é difícil fazer a previsão do tempo de São Paulo. Se um dia falarem para você que não vai chover, saiba que vai. Por outro lado, se falarem que vai chover, então se prepare para uma tempestade paulistana.

Dito isso, não é muito difícil saber se preparar. Na hora de sair de casa, é só levar algo como um agasalho, um guarda-chuva ou então um barco e está tudo resolvido.

Bom, não foi a situação dessa vez. Como é de praxe, o pessoal do Grande Prêmio – o site para o qual eu empresto minha força de trabalho – alugou um carro para fazer o translado entre a redação e o circuito do Anhembi.

O problema é que o carro alugado é um Mini conversível. Um carro sem capota em pelo temporal previsto para o final de semana da Indy. Como isso é possível? Agora imagine o desespero dos fotógrafos para tentar proteger câmeras e computadores!

Mas aí você, leitor atento, vai falar que o problema é resolvido se puxar a capota, certo? Errado! São cinco pessoas para caber dentro do Mini. Aliás, você já viu um Mini? É um carro para duas pessoas. O dono, óbvio, e a mulher que ele pegar por ter um desses carros. Pronto!

A empresa até fabricou o modelo com um banco de trás, mas teoricamente serve apenas por decoração. No entanto, colocamos três pessoas aqui sentadas no banco de trás de um Mini. Agora imagine um voo da Gol com todo aquele espaço para se esticar. O espaço é umas 100x menor! E tem gente aqui que conseguiria jogar basquete tranquilamente com o Justin Wilson.

Confesso a você  que eu nunca tinha andado antes em um Mini. O carro é sensacional, mas com cinco pessoas? Meu deus…

P.S.: caso você esteja por lá, ou pense em passar em alguns dias, dê um alô!