Corrida de resistência

Audi crash Le Mans
A Audi tem uma dificuldade terrível em manter os carros sãos e salvos na pista

Um detalhe curioso vem marcando a preparação das equipes de fábrica para a disputa da 24 Horas de Le Mans em 2012: os acidentes. Tanto Audi quanto Toyota levaram os novos modelos à pista para realizar todos aqueles testes e verificações que antecedem a tradicional prova, mas acabaram voltando sem nada, quase literalmente.

Quem se deu mal primeiro foi a Audi, que levou quatro máquinas à Sebring após a abertura do Mundial de Endurance. A bordo de um dos R18 Ultra, Timo Berhard – que venceu em Le Mans em 2010 – teve problemas na suspensão dianteira e destruiu completamente o novo carro da montadora alemã.

A batida foi tão forte, que Bernhard foi parar no hospital com uma vértebra quebrada. A Audi chegou a interromper os treinos e verificar os demais carros quanto a possibilidade de eles terem o mesmo problema, mas a montadora optou por continuar as atividades normalmente na pista americana.

Só que lembrando a sorte – ou falta dela – na última edição das 24 Horas de Le Mans, quando Allan McNish e Mike Rockenfeller se envolveram em gravíssimos acidentes na tentativa de ultrapassar adversários, não é absurdo pensar que nossos amigos alemães tenham uma leve tendência em dizimar seus equipamentos.

Caso a Audi abandone em Le Sarthe, teoricamente a favorita passa a ser a Toyota, já que a Peugeot deixou as competições de endurance em 2012.

Entretanto, a montadora japonesa também está com problemas em deixar o carro, digamos, inteiro. Na última semana, a fabricante planejava completar 30 horas de treinos na pista de Paul Ricard para verificar as condições do novíssimo TS030. Apesar disso, ainda nas primeiras horas de atividade, Nicolas Lapierre também sofreu um forte acidente, forçando a equipe a encerrar os testes.

Para piorar, a destruição do novo carro foi tão extensa que a Toyota cancelou a participação nas 6 Horas de Spa-Francorchamps, geralmente usada como preparação pelas equipes que querem correr em Le Mans. Dessa forma, os japoneses devem chegar em Le Sarthe praticamente precisando conhecer o novo equipamento enquanto começam os treinos.

Portanto, com Toyota e Audi com grandes chances de ficarem fora de combate na pista francesa, podemos chegar a uma conclusão: o DeltaWing tem tudo para vencer a corrida. Ok, infelizmente ele não tem, mas seria sensacional uma vitória nesse momento do carrão esquisito ante falhas mecânicas das montadoras.

2 comentários sobre “Corrida de resistência

  1. Na verdade mesmo, é quase impossível até a Toyota vencer, já que a Audi vai ter 4 carros a disposição em Sarthe. Os acidentes na preparação são recorrentes mesmo e a Delta Wing terá seu desempenho limitado pela ACO para não ofuscar os P1.

    Curtir

  2. Felipe, não é só Audi e Toyota que sofrem nos testes de seus LMP1. Em 2009, quando a Aston Martin decidiu iniciar um programa com protótipos ainda com um chassi Lola modificado sofreu com dois fortes acidentes em testes, um em Paul Ricard e outro em Monza, como se pode ver na noticia http://www.lemansportugal.com/verstappen-desfaz-aston-martin-a-308-kmh-na-parabolica-de-monza/. E ano passado a Peugeot também teve uns percalços, o Gené bateu em um teste realizado na pista de Aragón e o Minassian em um teste de 30 horas em Paul Ricard http://www.lemansportugal.com/peugeot-sport-estampa-mais-um-dos-novos-peugeot-908-em-paul-ricard/.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s