O fim do jejum para os pilotos brasileiros

Oswaldo Negri
Em Daytona, Oswldo Negri encerrou um jejum de vitórias que já durava desde.... ahm... meu deus, fazia tempo hein?

O que Oswaldo Negri, Helio Castroneves, Luiz Razia, Henrique Martins, Nelsinho Piquet e Nicolas Costa têm em comum? Bom, todos são pilotos brasileiros e competem no exterior faz alguns anos. Mas mais do que isso, os cinco seis encerraram longos jejuns de vitórias em 2012.

O primeiro a comemorar foi Negri, que triunfou nas tradicionais 24 Horas de Daytona ao lado de John Pew, AJ Allmendinger e Justin Wilson, ainda no início de fevereiro. Competindo pela equipe de Michael Shank, o quarteto era avaliado como o candidato que corria por fora diante do favoritismo dos novos Corvette DP.

No entanto, na corrida, os carros com motores Chevrolet foram ficando pelo caminho, enquanto Negri e Allmendinger, com pilotagens muito agressivas, garantiram a conquista do Ford de número 60. Essa foi a primeira vitória do brasileiro desde o dia 31 de agosto de 2008, quando triunfou ao lado de Mark Patterson na etapa de New Jersey na GrandAM.

Depois, as vitórias de Razia, Castroneves e Nelsinho, na última semana, foram separadas por apenas algumas horas. O primeiro a triunfar foi o piloto baiano, na madrugada da última sexta-feira, já tarde de sábado na Malásia.

Largando da segunda colocação na abertura da temporada 2012 da GP2, Razia ultrapassou o favorito Davide Valsecchi na saída e assumiu a liderança da prova. A partir daí, o brasileiro só precisou economizar os pneus e administrar a vantagem para o antigo companheiro de equipe até receber a bandeira quadriculada.

Razia não estava entre os favoritos para a GP2 em 2012, mas deixou Sepang na liderança do campeonato. O triunfo, aliás, foi o primeiro desde o fim de 2009, quando ganhou a corrida curta da rodada de Monza do mesmo certame. Para comemorar o fim da seca, os malaios deixaram o hino nacional tocar por longos 3min10s. Uma eternidade “deitado eternamente em berço esplêndido”.

Helio Castroneves
Depois de um 2011 muito irregular e completamente ofuscado pelo companheiro Will Power, Helio Castroneves voltou a vencer na Indy

Algumas horas depois da vitória do baiano, foi a vez de Nelsinho Piquet comemorar a primeira conquista nos Estados Unidos. Como convidado na etapa de abertura da East Series, o ex-piloto de F1 dominou todas as atividades em Bristol e segurou o promissor Ryan Blaney para receber a bandeira quadriculada na frente.

O jejum de vitórias de Piquet era tão grande, que provavelmente você não lembra quando foi a última. Na verdade, foi em 2010. Nem faz tanto tempo, não é mesmo? Só que o triunfo tinha acontecido em uma etapa do International GT Open, o equivalente ao GT Brasil da Espanha. Na ocasião, o brasileiro tinha sido convidado pela equipe lusa Aurora Racing a disputar a etapa da Catalunha ao lado do português Álvaro Parente em uma Ferrari.

Sem maiores dificuldades, os dois ex-pilotos da GP2 dominaram a primeira corrida do final de semana catalão e ficaram com a vitória. Em 2010, Piquet já havia disputado algumas corridas da Truck Series e da ARCA, mas não tinha feito a temporada integral nos Estados Unidos. Se não fosse essa conquista peculiar, a última conquista do brasileiro havia sido em 2006, ainda na GP2.

No último domingo, Helio Castroneves também encerrou um jejum de vitórias na Indy ao ultrapassar Scott Dixon e J.R. Hildebrand para vencer pela terceira vez em São Petersburgo. Depois de uma temporada muito irregular em 2011, o piloto da Penske, obviamente, é o líder do campeonato e finalmente conseguiu tirar um pouco da atenção dada a Will Power nos circuitos mistos.

A última vez que Castroneves pôde exibir a tradicional comemoração do Homem Aranha havia sido em 2010, quando o piloto vencera de forma consecutiva as etapas do Kentucky e de Motegi da Indy. Curiosamente, as duas em ovais.

Henrique Martins
Henrique Martins venceu logo na rodada de estreia na F3 Italiana

O último penúltimo dos cinco seis brasileiros a encerrar a seca de vitórias foi Henrique Martins. Neste sábado, dia 31, o piloto de apenas 19 anos de idade ganhou a segunda corrida da rodada de abertura da F3 Italiana, em Valência, ao se beneficiar da regra do grid invertido. Essa foi a estreia de Martins na competição.

O curioso é que o garoto jamais havia vencido nos monopostos, então o jejum de conquistas devia durar desde o kart. Apesar disso, Henrique foi o campeão da F3 Sudam na divisão Light, em 2009, quando foi nove vezes o piloto mais bem classificado entre os que corriam com o antigo Dallara F301. Conta como vitória, é verdade, mas imagino que o triunfo deste sábado tenha sido especial.

Com esses pilotos tendo um desempenho tão bom em 2012, depois de momentos de baixa nas respectivas carreiras, acho que Felipe Massa e Rubens Barrichello têm em quem se inspirar para voltarem a brigar pelas primeiras colocações em suas respectivas categorias. Afinal, o quinteto acima mostrou que nunca se deve afirmar que um piloto não tem chances de vitória.

P.S.: Desde que eu comecei a contabilizar as vitórias dos pilotos brasileiros, em 2010, acho que essa é o primeiro ano com tanta gente vencendo as corridas de abertura dos seus campeonatos.

P.S.2: Neste domingo, Nicolas Costa, o primeiro campeão da história da F-Futuro venceu uma das três provas da rodada de abertura da F-Abarth em 2012, também em Valência. O carioca não triunfava desde 2010, quando vencera tanto no torneio de inverno da F-Abarth quanto na própria F-Futuro.

Um comentário sobre “O fim do jejum para os pilotos brasileiros

Deixe uma resposta para Diogo Guilherme Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s