O fim do jejum para os pilotos brasileiros

Oswaldo Negri
Em Daytona, Oswldo Negri encerrou um jejum de vitórias que já durava desde.... ahm... meu deus, fazia tempo hein?

O que Oswaldo Negri, Helio Castroneves, Luiz Razia, Henrique Martins, Nelsinho Piquet e Nicolas Costa têm em comum? Bom, todos são pilotos brasileiros e competem no exterior faz alguns anos. Mas mais do que isso, os cinco seis encerraram longos jejuns de vitórias em 2012.

O primeiro a comemorar foi Negri, que triunfou nas tradicionais 24 Horas de Daytona ao lado de John Pew, AJ Allmendinger e Justin Wilson, ainda no início de fevereiro. Competindo pela equipe de Michael Shank, o quarteto era avaliado como o candidato que corria por fora diante do favoritismo dos novos Corvette DP.

No entanto, na corrida, os carros com motores Chevrolet foram ficando pelo caminho, enquanto Negri e Allmendinger, com pilotagens muito agressivas, garantiram a conquista do Ford de número 60. Essa foi a primeira vitória do brasileiro desde o dia 31 de agosto de 2008, quando triunfou ao lado de Mark Patterson na etapa de New Jersey na GrandAM.

Depois, as vitórias de Razia, Castroneves e Nelsinho, na última semana, foram separadas por apenas algumas horas. O primeiro a triunfar foi o piloto baiano, na madrugada da última sexta-feira, já tarde de sábado na Malásia.

Largando da segunda colocação na abertura da temporada 2012 da GP2, Razia ultrapassou o favorito Davide Valsecchi na saída e assumiu a liderança da prova. A partir daí, o brasileiro só precisou economizar os pneus e administrar a vantagem para o antigo companheiro de equipe até receber a bandeira quadriculada.

Razia não estava entre os favoritos para a GP2 em 2012, mas deixou Sepang na liderança do campeonato. O triunfo, aliás, foi o primeiro desde o fim de 2009, quando ganhou a corrida curta da rodada de Monza do mesmo certame. Para comemorar o fim da seca, os malaios deixaram o hino nacional tocar por longos 3min10s. Uma eternidade “deitado eternamente em berço esplêndido”.

Helio Castroneves
Depois de um 2011 muito irregular e completamente ofuscado pelo companheiro Will Power, Helio Castroneves voltou a vencer na Indy

Algumas horas depois da vitória do baiano, foi a vez de Nelsinho Piquet comemorar a primeira conquista nos Estados Unidos. Como convidado na etapa de abertura da East Series, o ex-piloto de F1 dominou todas as atividades em Bristol e segurou o promissor Ryan Blaney para receber a bandeira quadriculada na frente.

O jejum de vitórias de Piquet era tão grande, que provavelmente você não lembra quando foi a última. Na verdade, foi em 2010. Nem faz tanto tempo, não é mesmo? Só que o triunfo tinha acontecido em uma etapa do International GT Open, o equivalente ao GT Brasil da Espanha. Na ocasião, o brasileiro tinha sido convidado pela equipe lusa Aurora Racing a disputar a etapa da Catalunha ao lado do português Álvaro Parente em uma Ferrari.

Sem maiores dificuldades, os dois ex-pilotos da GP2 dominaram a primeira corrida do final de semana catalão e ficaram com a vitória. Em 2010, Piquet já havia disputado algumas corridas da Truck Series e da ARCA, mas não tinha feito a temporada integral nos Estados Unidos. Se não fosse essa conquista peculiar, a última conquista do brasileiro havia sido em 2006, ainda na GP2.

No último domingo, Helio Castroneves também encerrou um jejum de vitórias na Indy ao ultrapassar Scott Dixon e J.R. Hildebrand para vencer pela terceira vez em São Petersburgo. Depois de uma temporada muito irregular em 2011, o piloto da Penske, obviamente, é o líder do campeonato e finalmente conseguiu tirar um pouco da atenção dada a Will Power nos circuitos mistos.

A última vez que Castroneves pôde exibir a tradicional comemoração do Homem Aranha havia sido em 2010, quando o piloto vencera de forma consecutiva as etapas do Kentucky e de Motegi da Indy. Curiosamente, as duas em ovais.

Henrique Martins
Henrique Martins venceu logo na rodada de estreia na F3 Italiana

O último penúltimo dos cinco seis brasileiros a encerrar a seca de vitórias foi Henrique Martins. Neste sábado, dia 31, o piloto de apenas 19 anos de idade ganhou a segunda corrida da rodada de abertura da F3 Italiana, em Valência, ao se beneficiar da regra do grid invertido. Essa foi a estreia de Martins na competição.

O curioso é que o garoto jamais havia vencido nos monopostos, então o jejum de conquistas devia durar desde o kart. Apesar disso, Henrique foi o campeão da F3 Sudam na divisão Light, em 2009, quando foi nove vezes o piloto mais bem classificado entre os que corriam com o antigo Dallara F301. Conta como vitória, é verdade, mas imagino que o triunfo deste sábado tenha sido especial.

Com esses pilotos tendo um desempenho tão bom em 2012, depois de momentos de baixa nas respectivas carreiras, acho que Felipe Massa e Rubens Barrichello têm em quem se inspirar para voltarem a brigar pelas primeiras colocações em suas respectivas categorias. Afinal, o quinteto acima mostrou que nunca se deve afirmar que um piloto não tem chances de vitória.

P.S.: Desde que eu comecei a contabilizar as vitórias dos pilotos brasileiros, em 2010, acho que essa é o primeiro ano com tanta gente vencendo as corridas de abertura dos seus campeonatos.

P.S.2: Neste domingo, Nicolas Costa, o primeiro campeão da história da F-Futuro venceu uma das três provas da rodada de abertura da F-Abarth em 2012, também em Valência. O carioca não triunfava desde 2010, quando vencera tanto no torneio de inverno da F-Abarth quanto na própria F-Futuro.

Um comentário sobre “O fim do jejum para os pilotos brasileiros

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s