Pal Varhaug
Inspirado no antigo companheiro de equipe, Romain Grosjean, Pal Varhaug terá a chance de retomar a carreira na obscura AutoGP

Que Felipe Nasr vai estrear na GP2 em 2012 você provavelmente já tinha ouvido falar. Mas por acaso você sabe quem o brasileiro vai substituir na Dams na nova temporada da categoria de acesso da F1?

Romain Grosjean? Não! É verdade que o novo piloto da Lotus foi campeão pela equipe francesa na temporada passada, mas ele foi substituído por Davide Valsecchi, que entra como mais do que favorito em 2012. Nasr, por sua vez, assume a vaga do norueguês Pal Varhaug, que se despede da categoria sem deixar muitas saudades e sem ter somado pontos em sua temporada de estreia.

Varhaug, aos 21 anos, tem um currículo razoavelmente extenso nas categorias de base. No início da carreira, o piloto foi descoberto pelos olheiros da equipe suíça Jenzer, que resolveram investir no rapaz. E a parceria deu mais do que certo. No primeiro ano juntos, em 2007, foram vice-campeões da pouco expressiva F-Renault Suíça.

Depois, no ano seguinte, veio o título da F-Renault Italiana, com direito a três vitórias em um grid que contava com gente como Adrian Quaife-Hobbs e Cesar Ramos, favoritos absolutos à taça. Apesar de Varhaug, com a conquista, ter se tornado o primeiro piloto norueguês campeão da um torneio da F-Renault, a 15ª colocação no versão europeia do certame colocou alguns pontos de interrogações na conquista.

Afinal, não havia muitas dúvidas de que o nórdico era talentoso, mas na hora de enfrentar de igual para igual os pilotos mais promissores do mundo na F-Renault Europeia – em uma geração que revelou apenas Valtteri Bottas, Daniel Ricciardo, Jean-Éric Vergne e Roberto Merhi – ele ficou devendo.

O garoto ainda permaneceu na Jenzer por mais duas temporadas, quando se tornou o primeiro vencedor da história da GP3 ao triunfar na corrida de abertura, em Barcelona. Depois, na GP2, a coisa desandou e Varhaug não pontuou em 2011, mesmo competindo pela Dams, que se consagraria campeã graças ao serviços de Grosjean.

Esquecido no mundo, você até pode pensar que Varhaug largou os monopostos e foi correr de rali ou pescar bacalhau nos arredores de Oslo. O garoto, entretanto, não fez nada disso. Para tentar recupera a carreira já marcada por algumas conquistas, o norueguês resolveu se inspirar no maior mestre disponível: Romain Grosjean.

O francês teve uma história de vida parecida, mas com muito mais glamour. Considerado um dos pilotos mais promissores das últimas gerações, Grosjean chegou à F1 quando foi chamado para substituir Nelsinho Piquet, mas acabou defenestrado da categoria. A partir daí, rodou campeonatos bastante incomuns do automobilismo até recuperar na marra uma vaga na GP2. Na época, até escrevi aqui um texto sobre a trajetória de Romain, que você pode clicar aqui para relembrar.

Pal Varhaug AutoGP
Pal Varhaug testou pela Virtuosi UK e esteve sempre entre os três primeiros

Bom, voltando a Varhaug, o norueguês tomou o antigo companheiro de equipe como inspiração. É verdade que a comparação entre os dois na última temporada, quando Grosjean marcou 100% dos pontos da Dams, queimou a carreira do nórdico, mas o nosso amigo não se abateu.

Se o título de Grosjean na AutoGP foi um marco da recuperação do piloto, é justamente esse o destino de Varhaug, que tenta restabelecer a carreira. O piloto fechou contrato com a novata equipe Virtuosi UK para disputar a etapa de Monza – marcada para este final de semana – na abertura da temporada 2012 da AutoGP.

O norueguês já afirmou que ainda tenta voltar à GP2, mas garantiu que considera, sim, disputar a AutoGP de forma integral.

Agora, olha só que coincidência. Quando Grosjean conquistou o título da AutoGP de forma avassaldora, em 2010, ele corria justamente pela Dams. Não foi por acaso que ele acabou promovido pela própria equipe francesa para correr na GP2. Foi nesse momento da história que Varhaug entrou, não somou pontos e saiu.

Agora o norueguês vai correr justamente na AutoGP. E adivinha por qual equipe ele vai correr? Dams? Não! Pela Virtuosi UK, escrevi isso dois parágrafos acima. Mas de quem você acha que os ingleses compraram os carros? É, da Dams.

Varhaug está longe de ser uma promessa como Grosjean um dia foi, mas é um piloto interessante no automobilismo, já que é praticamente um dos únicos noruegueses em atividade fora dos ralis. Caso ele realmente siga na AutoGP, a princípio começa como maior estrela de um campeonato em que pode lhe trazer de volta a carreira.