Felipe Nasr GP2 2012
Felipe Nasr teve muito trabalho na primeira semana de treinos coletivos em Jerez. Apesar disso, a adaptação do brasileiro à categoria pode ser considerada satisfatória

Cercado de grande expectativa, Felipe Nasr completou nesta semana o primeiro treino em um carro da GP2. O brasileiro participou dos testes coletivos da categoria no circuito de Jerez de la Frontera, entre os dias 28 de fevereiro e 1º de março, ao lado dos principais adversários na luta pelo título de 2012.

O desempenho do atual campeão da F3 Inglesa não foi um estouro, mas foi dentro do esperado. O piloto começou muito mal, no primeiro dia de atividades, sendo apenas o 25º entre os 26 participantes – superando apenas o limitado Vittorio Ghirelli. No entanto, depois, pouco a pouco o brasileiro cresceu na tabela de tempos.

A efeito de comparação, Nasr terminou o primeiro dia de treinos 2s atrás do companheiro de equipe, Davide Valsecchi. Na última atividade, nesta quinta-feira, o brasiliense tomou menos de 0s6.

É claro que esses tempos também não indicam muita coisa. Por exemplo, Valsecchi está no quinto ano na GP2. Sabendo a pressão que sofre por ser o favorito, não seria impossível pensar que a Dams colocou pneus novos no carro do italiano e pouco combustível para que ele terminasse sempre na primeira colocação, jogando a pressão para os rivais.

Por outro lado, também não seria absurdo pensar que a equipe francesa tenha usado esse tipo de artifício no carro do brasileiro como uma forma de justificar os investimentos recebidos para 2012. Repito, não dá para saber o que cada equipe esteve testando, mas pela média dá para se chegar a uma conclusão de que houve, sim, uma evolução no desempenho de Felipe.

Felipe Nasr GP2 2012
A tendência é esperar um resultado melhor do brasileiro já na próxima sessão de treinos coletivos, na próxima semana, em Barcelona

Na realidade, esse é um resultado natural. Conforme Felipe Nasr vai se adaptando ao carro da GP2, a tendência é que ele fique cada vez mais rápido. Vale lembrar que ele jamais havia testado pela categoria. Ou seja, tanto o brasiliense quanto Ghirelli e Daniel De Jong, começaram os treinos desta semana atrás dos demais adversários. Todos os demais novatos participaram dos treinos da pós-temporada de 2011 e/ou da etapa extra da categoria em Abu Dhabi. Então eles já estavam minimamente adaptados ao equipamento.

E vendo apenas entre os pilotos que estão no primeiro ano na categoria, o desempenho de Nasr pode ser considerado satisfatório. Na quinta-feira, ele foi o quarto, terminando atrás de Tom Dillmann, James Calado e Nigel Melker. Muito melhor que a penúltima posição do primeiro dia.

Dito isso, a pergunta nesse momento é saber o que podemos esperar do brasileiro nesse primeiro ano da GP2. Levando em conta que a categoria volta à pista na próxima semana, em Barcelona, então muita coisa pode mudar. Mas eu diria que Nasr deveria mirar a oitava colocação como um resultado desejável.

Seria bastante interessante para ele, em pelo menos duas etapas, terminar a corrida principal do final de semana na oitava posição e conseguir converter a pole-position obtida com a regra do grid invertido em vitória. Em geral, é dessa forma que os pilotos novatos chamam atenção, então é uma tática satisfatória. Caso ele consiga algum pódio na corrida longa também seria um resultado bastante impressionante.

Entretanto, é preciso lembrar que o automobilismo é um esporte competitivo. Não adianta colocar esse tipo de meta nesse momento, e os demais novatos conseguirem resultados ainda melhores. Mas levando em conta o retrospecto dos rookies nos últimos anos, o caminho das pedras é mais ou menos esse.

P.S.: para ver os tempos do primeiro dia de treinos basta clicar aqui. O segundo dia está aqui. E o terceiro, aqui.