AJ Allmendinger
AJ Allmendinger ganhou a grande chance da carreira ao acertar com a Penske para Nascar

A Penske surpreendeu ao anunciar A.J. Allmendinger como substituto de Kurt Busch para a temporada 2012 da Nascar Sprint Cup, nesta quarta-feira, dia 21.

O antigo piloto da equipe de Richard Petty estava entre os possíveis candidatos ao Dodge de número 22, mas não era o nome mais forte. Em todas as especulações, David Ragan aparecia como favorito, mas o próprio antecipou o comunicado da Penske ao afirmar que ainda não tinha negociado com a equipe.

Allmendinger, assim, deixa o tradicional carro número 43 da equipe de Richard Petty, que estava sem patrocinador desde a saída da Best Buy – que foi para a Roush-Fenway – em troca de um carro com investidores assegurados para 2012.

A principal dificuldade do piloto, aliás, é essa: corresponder aos anseios da Shell. Quando a empresa holandesa assinou com a Penske, em 2011, impôs uma condição à equipe, que é ter um piloto com chances reais de ser campeão pilotando. Foi por isso que Kurt Busch deixou o carro número 2 e assumiu o 22 na última temporada.

O problema é que ninguém esperava que Kurt Busch fosse ser demitido em dezembro, quando todos os grandes pilotos já haviam garantido vaga para 2012. Restou à Penske, procurar o melhor entre os disponíveis e por isso selecionaram A.J. Allmendinger, que terminou o último campeonato na 15ª colocação e chegou em Richmond com chances remotas de se classificar para o Chase.

Apesar da animação com o progresso feito nos últimos anos, Allmendinger é um piloto que ainda não conseguiu estourar na Sprint Cup. Competindo desde 2007, o piloto conseguiu apenas quatro TOP 5 e 33 TOP 10. A expectativa tanto da Penske, quanto de piloto e patrocinadores é que o novo contratado se aproveite de um carro comprovadamente vencedor para enfim mostrar que pode estar entre os grandes nomes do esporte.

Portanto, se A.J. Allmendinger quiser assegurar que a passagem pela Penske dure mais que a temporada de 2012 o piloto precisa ser Brad Keselowski. Isto é, ele precisa repetir o desempenho do companheiro de equipe que surpreendeu a todos e venceu três vezes em 2011, garantindo a vaga no Chase e ficando na briga pelo título até a etapa de Phoenix.

Allmendinger não pode ser apenas mais um, conseguindo um TOP 10 ou outro ao longo da temporada. Repetir o desempenho que teve pela RPM vai facilitar a vida da Penske no final do ano ao tomar a decisão de arrumar mais um substituto.

AJ Allmendinger e Misty Allmendinger Marley
Digamos que outro membro da família da AJ Allmendinger já tenha recebido a grande chance da carreira

Roger Penske, aliás, deixou isso bastante claro ao desejar as boas vindas ao piloto. O dirigente afirmou que espera ver Allmendinger corresponder às expectativas que criou com os bons resultados das últimas temporadas ao finalmente ter um carro competitivo em mãos. Se o chefe já falou isso logo na chegada, melhor não contrariá-lo.

De forma curiosa, a chegada de A.J. Allmendinger à Penske marca o encontro de dois dos principais nomes da história dos monopostos dos Estados Unidos. Coube ao piloto assumir a função de favorito da torcida americana quando o time de Roger Penske – assim como Ganassi, entre outras – optou por deixar a Champ Car e se mudar para a IRL.

Allmendinger ficou na categoria até 2007, quando deixou a Forsythe para correr pela Red Bull na Nascar, onde conquistou a vitória apenas na corrida do AllStar Showdown, que é a preliminar da AllStar Race. A Penske, como se sabe, continua na Indy.

P.S.: o anúncio da contratação do piloto pela Penske aconteceu nesta quarta, mesmo dia em que uma determinada emissora de televisão exibiu o filme Marley & Eu. O cão, Marley, na versão adulta, é interpretado por Misty Allmendinger, cadela do piloto. Coincidência? Eu acho que não..