A vida de Sébastien Ogier fora do WRC

Sébastien Ogier
Sébastien Ogier teve direito a alguns testes antes da estreia nos monopostos

Neste domingo, dia 4, Sébastien Ogier conquistou um importante título para a curta carreira. O francês derrotou o veterano Tom Kristensen e levantou a taça da Race of Champions de 2011, ganhando o apelido de ‘campeão dos campeões’.

Não que a taça vá mudar a vida de Ogier, mas é uma ótima maneira de o piloto se apresentar à Volkswagen, afinal ele foi campeão já usando o macacão da montadora germânica para quem vai competir no WRC a partir de 2012.

Durante 2011, Ogier foi o Lewis Hamilton de Sébastien “Alonso” Loeb na Citroën. O francês mais jovem chegou à equipe e desafiou o heptacampeão ao longo de toda a temporada. Com a Citroën ao lado de Loeb, Ogier ainda ficou na briga pelo título até a última etapa, quando, com poucas chances, deu adeus à taça ao abandonar.

Vendo a preferência da montadora pelo companheiro, que acabou renovando contrato por mais duas temporadas, Ogier se mandou da equipe e assinou com a Volkswagen, que entrará no WRC em 2013, onde deve acumular a função de piloto de testes com a participação em tempo integral na competição, a bordo de um Skoda Fabia.

Com a carreira encaminhada, o título da ROC não terá tanto peso na carreira de Ogier, mas, na realidade, essa não foi a primeira excursão do piloto a carros diferentes dos usados no WRC.

Em novembro, tanto Ogier quanto Loeb foram convidados pela entidade francesa que chancela o automobilismo do país a participar das etapas finais dos campeonatos locais. Ambos acertaram para correr de GT, enquanto Loeb foi competir pela Porsche Cup, onde vez ou outra aparece. Ogier, por sua vez, assumiu o comando dos monopostos da F4 Francesa.

Sébastien Ogier
Nas corridas, Sébastien Ogier não fez feio e chegou a brigar por um lugar no pódio

Antes de continuar, um breve parênteses, se o automobilismo francês está em alta novamente, com Romain Grosjean, Charles Pic, Jean-Éric Vergne e Jules Bianchi com chances de chegar à F1, muito é por conta da valorização da F4. JEV, por exemplo, foi o campeão de 2007, enquanto Pic não conquistou o título, mas também foi revelado por lá, em 2006, um ano após o triunfo do também conhecido Jean Karl Vernay.

Atualmente, a categoria anda bastante valorizada, servindo como porta de entrada para a F-Renault europeia. Custando apenas € 50 mil – menos que a F-Futuro – um garoto de 14 anos pode competir em 14 corridas – mais que a F-Futuro – observado por um grupo de técnicos e especialistas que apontam o melhor caminho no desenvolvimento como atleta. Esse ano, o brasileiro Jean Antunes se inscreveu apenas para a primeira etapa e não competiu mais desde então.

Voltando a Ogier, o piloto de rali não fez feio com carros infinitamente mais leves. Ele começou os treinos livres na 11ª colocação, mas obteve a quinta posição no grid de largada. Nas corridas, o piloto largou muito bem, assumindo o terceiro lugar em ambas as provas antes de finalizar em quinto nas duas oportunidades.

Depois das corridas, o francês agradeceu a participação no evento e disse que pretende voltar em 2012 caso seja convidado pela organização da competição. Olha, para alguém que mal havia competido em um monoposto na carreira e tendo brigado de igual para igual com os garotos que querem seguir correndo disso, a gente pode dizer que Ogier leva jeito para coisa. Se Sébastien Loeb não conseguiu chegar à F1, tendo feito apenas alguns poucos testes, quem sabe Ogier não aparece por lá no futuro?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s