Kyle Busch e Ron Hornaday Texas
Kyle Busch e Ron Hornaday se tocaram pouco antes da polêmica batida

É difícil tentar achar qualquer explicação sobre o acidente entre Kyle Busch e Ron Hornaday no início da etapa do Texas da Truck Series, disputada na noite desta sexta-feira, dia 4.

Para quem não viu a corrida – o vídeo está lá embaixo –, enquanto disputava a segunda colocação na 15ª das 167 voltas, Hornaday tocou em Kyle Busch ao desviar de um retardatário e os dois foram para o muro com pequenos danos nos trucks. Busch ficou puto, perseguiu o adversário e mandou-o com tudo novamente para fora, forçando-o a abandonar a prova. Como resultado, a Nascar não titubeou e retirou Busch da corrida.

Pilotos batendo uns nos outros e fazendo, em seguida, justiça com as próprias mãos não é uma novidade na Nascar. Em Martinsville, por exemplo, a corrida foi cheia de situações desse tipo. Alguém batia, passava um tempo na garagem e voltava com o carro todo remendado, mas em condições mínimas de devolver o acidente mandando o algoz direto para o muro. Aconteceu com Jamie McMurray, Kasey Kahne, Brian Vickers e tantos outros.

A diferença entre os acidentes de Martinsville, ou os embates entre Matt Kenseh e Jeff Gordon alguns anos atrás, ou o lendário toque de Dale Earnhardt em Terry Labonte em Bristol é que nenhum desses teve grande impacto no campeonato. Quando Busch tirou Hornaday da corrida do Texas, o piloto da Chevrolet perdeu qualquer chance de conquistar o título no final do ano ao ser retirado da pista por um piloto que sequer soma pontos na categoria.

Assim, a batida de Fort Worth pode ser condenada por ferir o espírito esportivo. Quando se tem pilotos batalhando pelo campeonato dentro da pista, é de praxe que todos os demais adversários tomem cuidado para que não influenciem na briga – o que não é sinônimo de dar passagem. Há um respeito com esses candidatos ao campeonato. Como dito antes, Busch sequer disputa a Truck Series. Ele apenas entrou na prova, tirou um dos concorrentes e foi desclassificado.

Portanto, o que aconteceu no Texas é uma consequência da política da Nascar em permitir que os pilotos da Sprint Cup participem das demais divisões da categorias durante o final de semana. Só que antes, a consequência era apenas provas pouco animadas por conta do domínio desses atletas. Mas agora os próprios pilotos da Truck Series (Hornaday, no caso) começam a sentir na pele essa invasão.

A batida ainda levanta uma dúvida sobre como punir Busch. Bater em um adversário de forma proposital não é algo tão proibido assim na Nascar, em algumas situações, é até mesmo desejado pela direção da categoria. E, na realidade, o piloto já foi penalizado ao ser retirado da prova. Não tem muito o que acrescentar. Talvez a perda de pontos, mas para alguém que não disputa o campeonato não é um prejuízo real.

Nem mesmo Hornaday ser até então um candidato ao campeonato pode servir como agravante, já que o regulamento não faz distinção da posição de um piloto no campeonato na hora de ser punido ou não. A Nascar, no entanto, pode interpretar a situação como quiser e até mesmo inventar alguma determinação. Não acredito que Busch será severamente punido. Acho que ser colocado em probation nas três categorias até o final de 2012, além US$ 100 mil em multa já seria algo bastante pesado. Ser suspenso de corrida é improvável, para não dizer banal caso não aconteça na Sprint Cup – o que não faria muito sentido acontecer.

A maior punição de Kyle Busch é que muito provavelmente ele jamais será campeão da Sprint Cup após essa batida. Digo isso porque se Kevin Harvick (dono da equipe de Hornaday) for alguém que guarda rancor – e isso eu levo a crer que ele é – não vai perder a chance de eliminar o rival do campeonato em uma eventual decisão em Homestead-Miami nem que seja daqui a muitos anos.