A triste ida de Clint Bowyer para a equipe de Michael Waltrip

Michael Waltrip e Clint Bowyer
Com medo de ficar sem vaga em 2012, Clint Bowyer fechou com a equipe de Michael Waltrip

Nesta sexta-feira, dia 7, Michael Waltrip anunciou a contratação de Clint Bowyer para as próximas três temporadas da Nascar Sprint Cup. Bowyer era um dos principais nome que estavam sem contrato para 2012 – os chamados free agent – e acabou trocando a RCR pelo time de Waltrip.

A mudança ocorreu por conta do patrocinador. Bowyer perdeu o apoio da General Mills, que estampava as marcas Cheerios e Hamburger Helper no carro 33. O piloto conseguiu fechar com a 5-Hour Energy, mas o dinheiro oferecido pela empresa foi inferior do que Richard Childress considerava aceitável.

Assim, Bowyer garantiu uma vaga para a próxima temporada em uma equipe relativamente competitiva. Childress volta a se dedicar a apenas três carros e Waltrip ganhou um piloto de ponta para liderar a equipe construída em 2006.

Apesar disso, a negociação foi ruim para todo mundo, salvo para Waltrip, evidentemente. Começando pelo próprio Clint Bowyer, trocar uma equipe top por uma do meio do pelotão pode não ser a melhor decisão da carreira, embora aqui pese a falta de opção em renovar o vínculo com a RCR.

Pela antiga equipe, o piloto venceu quatro vezes, participou do Chase em três oportunidades, terminou a temporada de 2007 em terceiro e conquistou o recorde de maior número de corridas seguidas sem abandonos na Modern Era. Em 2011, ficou fora dos playoffs por apenas uma colocação.

A equipe de Michael Waltrip, por sua vez, tem Martin Truex Jr na 20ª colocação e David Reutimann na 28ª. Muito distante do grupo dos 12 primeiros da fase final. Isto é, Bowyer chega a uma equipe que está distante até mesmo de brigar por vitórias quanto mais pelo título. O acordo, assim, só revela um maior desespero do piloto em não ficar sem vaga para 2012. E lembrar que Bowyer chegou a ser especulado na Hendrick antes de o time assinar com Mark Martin.

Para Richard Childress, perder Bowyer também é um duro golpe. Tirando 2006, quando o piloto ainda era um novato, sempre que a equipe teve a formação Harvick/Burton/Bowyer apenas os três chegaram ao Chase e um deles terminou entre os quatro primeiros. Sem Clint, a equipe agora depende de Paul Menard e de um Jeff Burton em má-fase (que só conseguiu um top-10 em 2011) para fazer companhia a Kevin Harvick no desenvolvimento do time.

Outro fator que torna a escolha de Bowyer ainda mais injustificável é a falta de patrocínios que as equipes grandes estão enfrentando. Enquanto Michael Waltrip anunciava o novo contrato, Jack Roush disse em outra entrevista que cogita inscrever carros apenas para Greg Biffle, Carl Edwards e Matt Kenseth em 2012. Ou seja, se há a possibilidade abrir uma vaga na Roush – a de David Ragan – por que Bowyer não tentou? Ao menos seria uma equipe muito, mas muito maior que a de Michael Waltrip.

Embora ainda seja cedo para falar qualquer coisa, Bowyer precisa ter cuidado nas próximas temporadas. Competindo por um time mais fraco, a tendência é que ele caia cada vez mais no esquecimento caso não consiga manter as boas atuações da época de RCR. E isso é algo fatal para a carreira de qualquer piloto.

Antes de terminar, é bastante curioso que Clint Bowyer tenha escolhido a equipe de Michael Waltrip. Veja no video abaixo o que o piloto disse sobre o futuro patrão alguns anos atrás:

2 comentários sobre “A triste ida de Clint Bowyer para a equipe de Michael Waltrip

  1. Bowyer é o piloto mais redneck do mundo, tem cara de quem desce do carro e vai embora da trator pra casa! O curioso é o seguinte, porque Richard Childress não mandou o Burton passear, Bowyer é um piloto muito melhor atualmente e chego a dizer que até Truex Jr e Reutimann tem mais relevância na temporada.

    Curtir

    1. Eu acho que em primeiro lugar, Burton tem patrocínio para 2012 e Bowyer não tinha. Quando estava em crise no início da década passada após a morte de Dale Earnhardt (com Kevin Harvick ainda nos primeiros anos na categoria, Robby Gordon mostrando que não era um piloto para lutar por títulos e Jeff Green nulo), Childress tirou Burton da Roush para que ele ajudasse a reconstruir a equipe e deu certo.

      Então, acho que rola não só uma gratidão com o piloto como também confiança do que ele ainda pode fazer para a equipe.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s