GP2
Luca Filippi em segundo. Entra ano, sai ano e certas coisas não mudam

A GP2 inicia a preparação para a temporada 2012 da categoria nesta quarta-feira, dia 28, com o primeiro dos dois dias de treinos coletivos em Jerez de la Frontera. Nessa primeira atividade, os times costumam optar por dar maior quilometragem a novatos antes de escolher quem serão os pilotos para a próxima temporada.

Apesar disso, é seguro dizer que o grid da categoria em 2012 será formado pelos participantes deste primeiro teste somados aos pilotos que disputaram o campeonato de 2011 e ficaram de fora dessa atividade inicial. Salvo uma ou outra surpresa que possa aparecer.

A lista de inscritos para este primeiro dia – que você pode conferir clicando aqui – chama a atenção pela divisão entre novatos e velhos conhecidos.

De um lado, 11 dos 27 pilotos jamais disputaram uma corrida da categoria: Daniel Zampieri, Valtteri Bottas, Nathanael Berthon, Nico Müller, Rio Haryanto, Simon Trummer, Nigel Melker, Fabio Onidi, James Calado e Antonio Félix da Costa, além de Stéphane Richelmi, que só correu a rodada final de Monza.

Do outro, veteranos como Javier Villa, Adam Carroll, Yelmer Buurman, Luca Filippi entre outro, são lembrados pelos times. Na realidade, não é nenhuma surpresa que esse pessoal cada vez mais experiente ganhe espaço na GP2. Basta ver que Pastor Maldonado e Romain Grosjean, os dois últimos campeões, levantaram a taça da categoria depois de disputarem o certame por quatro anos.

Filippi, porém, pode entrar na sétima temporada (!!!!) na categoria. Carroll (praticamente um vovô aos 28 anos), na sexta – ainda que as duas últimas tenham sido incompletas. Villa, de apenas 23 anos, estaria na quinta temporada, assim como Álvaro Parente. E mesmo que Buurman só tenha competido em metade de 2008, o nome do holandês é o que causa mais espanto. Só falta o Roldan Rodríguez aparecer e a festa fica completa.

Essa participação de pilotos mais experientes – assim como a quantidade elevada de novatos – não significa necessariamente que as equipes possam apostar nesses nomes para 2012. Alguns times podem escolher fazer os primeiros treinos com gente que conhece a categoria, com o objetivo de acertar o carro para depois escolher ($) quem vai correr. A Carlin, por exemplo, é um exemplo de time que precisa pensar no equipamento depois de terminar a última temporada em uma humilhante última colocação com apenas quatro pontos.

A Super Nova, por outro lado, é uma equipe que aposta em veteranos sem explicação. Em 2011, eles competiram inicialmente com Fairuz Fauzy e Luca Filippi. Embora os dois pilotos tenham nove temporadas somadas entre eles, pouco conseguiram fazer. Juntos obtiveram 12 pontos até a etapa da Alemanha, quando o italiano se mandou para a Coloni e não parou mais de vencer. O substituto, Adam Carroll, conseguiu a façanha de elevar a média de idade da equipe para 28 anos! A efeito de comparação, a media da Toro Rosso é de 20,5 e a da McLaren, 28,5.

No restante das equipes, algumas combinações se destacam. Com a vaga que pertencia a Giedo van de Garde em tese livre, Dani Clos apareceu em um dos carros da Addax e pode ser alguém a ser considerado para o título da temporada. Fabio Leimer na Racing Engineering também é interessante, já que o suíço foi muito rápido em alguns momentos da última temporada, mas sofreu com os próprios erros e com um carro limitado como o da Rapax.

A equipe italiana, aliás, parece apostar em Daniel Zampieri, que faz uma péssima temporada na World Series by Renault, e ainda vai testar Sam Bird. O inglês parece ter sido o grande perdedor ao sair da iSport e testar carros de segundo/terceiro escalão.

Entre os novatos, o principal nome é o de Valtteri Bottas, campeão da GP3, que deve ser confirmado na Lotus ART para 2012. A imprensa finlandesa diz que ele negocia também com a iSport, mas acho difícil que ele fique fora da equipe francesa. Os outros nomes que merecem destaque são os de Nico Muller, Rio Haryanto, Antonio Félix da Costa, James Calado e Tom Dillmann. Vai ser interessante ver o desempenho deles.

Por fim, a ausência mais sentida nesse primeiro treino é Robert Wickens. O canadense, que briga pelo título da World Series by Renault, não apareceu na lista do primeiro dia e pode não treinar no segundo. Aí resta saber se ele optou em continuar focado em tentar ser campeão, já que a taça será definida neste final de semana (e assim Álvaro Parente estaria esquentando lugar para ele), ou se ele não conseguiu vaga.