Nascar em New Hampshire: o Chase está aberto

Rick Hendrick, Jimmie Johnson, Chad Knaus
Rick Hendrick, Jimmie Johnson e Chad Knaus. Com 29 pontos de déficit, eles vão ter muito trabalho se quiserem conquistar o hexacampeonato

A corrida de New Hampshire da Nascar Sprint Cup, realizada neste domingo, dia 25, revelou que alguns pilotos estão na direção errada para conquistar o título da temporada 2011. O Chase do ano passado, com Jimmie Johnson, Kevin Harvick e Denny Hamlin chegando à última corrida praticamente empatados nos pontos, mostrou que a máxima de ‘não se pode vencer o título em uma corrida, mas se pode perdê-lo’ é realmente verdadeira.

Começando pelos três já citados, a participação de Denny Hamlin no Chase atual é patética. Se você não lembra, no final de 2010, quando ele era o líder do campeonato faltando duas corridas, a equipe do carro número 11 bateu boca com a de Jimmie Johnson em algumas oportunidades, dizendo que o piloto da Hendrick estava acabado e – principalmente após a troca de mecânicos entre Jeff Gordon e JJ – desesperado com a possibilidade de perder o título.

Um ano depois, Hamlin está 66 pontos atrás de Tony Stewart na tabela e praticamente precisa de um milagre para levantar a taça. Em Chicagoland, ele teve problemas com os pneus, enquanto em New Hampshire foi uma pane seca. Inadmissível alguém perder um título por ficar sem combustível. O desempenho de Hamlin é tão ruim que seria melhor ter deixado A.J. Allmendinger, por exemplo, participar do Chase. Fora dos 12 primeiros, ninguém ia perceber o vexame do carro número 11. Por outro, por pior que fossem os resultados de Allmendinger só de ele estar nos playoffs seria motivo de festa.

Jimmie Johnson é outro que está em uma fase terrível. Tudo bem que New Hampshire, ao lado de Talladega e Homestead-Miami, é um dos locais em que o pentacampeão não é favorito. Mas 29 pontos de déficit na tabela de pontos significariam Game Over para qualquer outro piloto. Não para Johnson. Se não fosse o retrospecto do pentacampeão em conseguir vitórias e segundos lugares sequenciais na fase final do campeonato, as chances de título teriam ido embora. Por outro lado, ainda que ele tenha chances, Johnson e toda a equipe Hendrick sabe que não pode mais errar se quiser conquistar o hexacampeonato.

Kevin Harvick
Kevin Harvick segue perdendo pontos preciosos em 2011. Assim nem fechando equipe o título fica fácil

Dos três, Kevin Harvick é o que está em melhor posição. Após duas corridas, o piloto está apenas sete pontos atrás de Stewart, na vice-liderança. No entanto, o piloto da RCR está repetindo um problema que já aconteceu em 2010: perder pontos fáceis. Em Chicagoland, Harvick vacilou em não ter ultrapassado Tony Stewart na briga pela vitória. Claro que não dá para exigir que alguém vença todas as corridas, mas caso o piloto da Budweiser tivesse completado a recuperação e triunfado nessa etapa, seria o líder. Com o segundo lugar, vai precisar torcer para algum tropeço de Stewart.

Em New Hampshire, a situação foi ainda pior. Com uma tática errada nos boxes, Harvick, que esteve o tempo todo na briga pelo TOP 5, terminou a corrida em 12º. Não foi um grande prejuízo na tabela, mas novamente deixou pontos importantes escaparem e que podem fazer falta no fim do ano. Aliás, é bom o piloto da RCR se recuperar, pois Dover, local da próxima etapa, é a pista onde ele deve ter maiores dificuldades.

Por fim, chegamos a Tony Stewart. É óbvio que com duas vitórias nas duas primeiras etapas do Chase o bicampeão é quem está em posição mais confortável para conquistar o título. Apesar disso, ainda não o considero um dos favoritos. Essa não é a primeira vez que um piloto começa os playoffs com duas vitórias consecutivas. Nas outras duas ocasiões – Greg Biffle em 2008 e Mark Martin em 2009 –, só o experiente piloto da Hendrick conseguiu chegar a Homestead-Miami com chances (muito, mas muito remotas) de ser campeão. Biffle caiu fora da disputa oficialmente em Phoenix, mas o grande prejuízo em pontos foi em Talladega, quando se envolveu em um acidente bisonhamente causado pelo companheiro de equipe Carl Edwards.

Como Stewart não teve um bom desempenho na temporada regular e só deve ser um candidato a vitória nas etapas de Kansas, Charlotte e Texas, ainda é cedo para colocá-lo como favorito absoluto. Uma sequência de bons resultados, no entanto, é o suficiente para catapultá-lo à função de possível vencedor da Sprint Cup.

Enquanto isso, a menos que seu nome seja Denny Hamlin, o campeonato continua aberto. Johnson pode estar 29 pontos atrás de Stewart, mas está apenas seis distante de Jeff Gordon, o sexto colocado. Os cinco pilotos na frente já deram sinais de inconsistência e podem acabar perdendo a taça até o final do ano. Além disso, ainda há o fator Brad Keselowski, que veio feito um foguete nessa segunda metade de temporada 2011 e ninguém sabe se ele poderá manter o ritmo.

A próxima etapa da Nascar é em Dover, onde Jimmie Johnson é considerado favorito. O local é uma excelente oportunidade para que o pentacampeão inicie uma recuperação. No entanto, vale um aviso: antes a Monster Mile era a segunda corrida do Chase, agora é a terceira. Pode ser que já seja tarde para uma volta por cima. Fora o piloto da Hendrick, Kyle Busch, Carl Edwards e Brad Keselowski são favoritos para a corrida. Por outro lado, Tony Stewart e Kevin Harvick são os que mais têm a perder.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s