Prazer, meu nome é Felipe

Felipe Fraga
Felipe Fraga estreou nos monopostos ao treinar com um carro da Hitech em Campo Grande

Nesse final de semana, Felipe Nasr deve conquistar matematicamente o título da F3 Inglesa. Para isso, de uma forma resumida, o brasileiro somente precisa somar mais pontos que os dois principais rivais: William Buller e Carlos Huertas. Isso não é tão difícil, pois foi o que aconteceu em seis das sete etapas do ano.

Caso Nasr conquiste o título, o World of Motorsport preparou um material especial sobre o piloto, que deve entrar durante o final de semana. Do contrário, só será publicado quando ele levantar a taça.

Mas esse não é um post sobre Felipe Nasr. Nem sobre o material do blog, escrito por mim, Felipe Giacomelli.

É sobre Felipe Fraga, um dos principais pilotos do kartismo atual no Brasil, que dentre outros títulos nacionais e internacionais é o atual campeão da Seletiva Petrobras de Kart. No início do ano e com o título petrolífero conquistado, o garoto de apenas 16 anos de certa forma surpreendeu quando optou por ficar no kart ao invés de fazer a transição para os monopostos, a exemplo de rivais da mesma geração como Felipe Donato e André Pedralli.

A escolha de Fraga foi motivada por dois bons motivos: ele aproveita mais um ano da fama que tem no kart, enquanto faz uma boa preparação para iniciar nos monopostos. Desde o início do ano, o residente do Tocantins tem feitos treinos físicos para aguentar o desgaste proporcionado pelo novo passo na carreira. Além disso, participou no início da semana de dois dias de testes com um carro da Hitech da F3 Sudamericana, em Campo Grande, onde a categoria tinha corrido no último sábado e domingo.

Esse teste marcou a primeira vez na carreira em que Felipe pilotou um monoposto. O garoto percorreu mais de 200 voltas ao longo dos dois dias e teve o melhor tempo cerca de 0s2 mais rápido que o obtido por Fabiano Machado, líder da F3, ao conquistar a pole-position para a etapa campograndense da categoria.

Apesar disso, fazer uma comparação entre os tempos obtidos por eles é complicado, já que a situação da pista muda de um dia para o outro. Campo Grande, aliás, é especialista nisso por conta da poeira que fica no asfalto. Como Fraga treinou seguidamente por dois dias e aproveitou o emborrachamento da pista por conta da rodada da F3, o piloto pode (sendo impossível garantir) ter enfrentado condições melhores.

Felipe Fraga
O primeiro teste de Felipe Fraga, no entanto, não diz nada

No entanto, outros fatores pesam a favor de Felipe. Primeiro, que ele não estava usando o carro de Fabiano, estava com o de João Leme, que foi 1s4 mais lento durante a classificação. Segundo, o próprio Machado, que está no segundo ano na categoria, admitiu após a pole-position que a pista de Campo Grande é uma das que ele mais treinou, portanto a conhecia como a palma da mão.

Como visto, Felipe superou Machado em carro que nunca havia pilotado, por uma equipe com a qual nunca tinha trabalhado e em um circuito onde nunca correra. A pergunta, portanto, é se em questão de tempo de volta as condições da pista mais favoráveis a Fraga compensavam todas essas dificuldades, isto é, se o 0s2 de vantagem pode se atribuído somente à diferença de condições da pista.

É claro que é impossível responder isso sem saber como estava o circuito quando Fabiano conquistou a pole-position e como estava o traçado nos treinos do estreante. No entanto, pelo ritmo semelhante dos dois, os prognósticos a favor do garoto do Tocantins são animadores.

As circunstâncias do treino de Fraga, aliás, são bastante semelhantes às do início de carreira de outro Felipe, o Nasr.

O atual líder da F3 Inglesa disputou a rodada de Interlagos da F-BMW Americas e, subindo ao pódio, foi convidado pela equipe Eurointernational a realizar um teste no circuito Hermano Rodriguez justamente no dia seguinte após a final mundial da categoria. No torneio, que o brasileiro não participou, Alexander Rossi marcou o recorde da pista ao conquistar o título. No dia seguinte, o brasiliense foi ainda mais rápido que o americano.

É possível, só por esse treino, dizer que Nasr é melhor que Rossi? Não, mas a atividade serviu tanto para o garoto ganhar confiança na carreira quanto para que as equipes vissem que era uma boa apostar nele. E é isso que acontece com Felipe Fraga agora.

O próximo passo de Felipe e voltar a testar o carro de F3 após a etapa de Santa Cruz do Sul. Aí sim o parâmetro será um pouco melhor, embora ainda não seja possível concluir nada.

3 comentários sobre “Prazer, meu nome é Felipe

  1. Já vi esse jovem piloto correr aqui na Raceland em Pinhais/Curitiba. Fez uma excelente prova. E já de outras boas apresentações, também. Talento ele tem de sobra. Mas como o automobilismo mundial de hoje é “movido” a dinheiro, não sei como estaria apoiado essa promessa. Espero que bem.

    Curtir

    1. Depois do treino, o Felipe Fraga deu uma entrevista interessante dizendo que ele sabe que é bom no kart, mas precisava provar que também é nos monopostos. Acho que avaliar o treino dele é por aí.
      O que ele disse está aqui: http://grandepremio.ig.com.br/outrascategorias/f3/2011/08/31/atual+vencedor+da+seletiva+petrobras+testa+carro+da+f3+em+campo+grande+10490728.html

      No resto, não sei quem patrocina ele, mas sei que ele está desde o início do ano tentando fechar com patrocinadores e conseguir não só fechar o orçamento para 2012, mas para as próximas temporadas também.
      Se ele está podendo testar F3, acho que conseguiu ao menos algum investidor.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s