Marcos Ambrose
Marcos Ambrose finalmente pode comemorar a vitória na Nascar. Aliás, fazia tanto tempo que o crew chief dele não vencia que, ao final da corrida, ele disse: "Parábens Marcos, agora você é um vencedor na NEXTEL (!!!) Cup"

Depois de fazer um papelão na etapa de Sonoma do ano passando quando deixou o carro morrer nas voltas finais atrás do safety-car ao tentar poupar combustível, Marcos Ambrose finalmente conquistou a primeira vitória na Nascar nesta segunda-feira, dia 15, em Watkins Glen.

Bom, vamos por partes. Sim! A corrida foi disputada nesta segunda-feira, pois choveu muito durante o final de semana e a Nascar achou que não teria como realizar a prova e alcançar o final dela sem que a chuva caísse. Por isso ela foi adiada. Caso você seja uma das pessoas que não pôde acompanhar a corrida por conta do trabalho/escolha/outra coisa, basta clicar aqui e ler a história com a qualidade de sempre.

Voltando à corrida, a decisão da Nascar em adiar a corrida foi um pouco confusa. A direção da categoria não tenta explicar por qual motivo apenas a Nationwide tem pneus para pista molhada. Por conta disso, as justificativas são sempre confusas. Entre quem cobre a Nascar, há duas correntes bem aceitas do motivo dessa decisão.

O primeiro leva em conta a falta de experiência dos pilotos da Sprint com pneus de chuva. Como eles jamais correram em pista molhada durante a carreira, a Nascar não quer deixá-los correr – tanto por uma questão de segurança quanto de favorecer ao espetáculo – com água no traçado.

A outra hipótese da falta de corridas com pista molhada é porque a chuva molha. Óbvio né? Mas o problema maior não é molhar os carros ou os pilotos, mas, sim, o público. Ninguém quer ir a um autódromo para se proteger debaixo de uma capa ou de uma sombrinha para ver um esboço de carro levantando spray. As pessoas querem ir à pista para ver ultrapassagens, enquanto comem cachorro quente e bebem muita cerveja.

Como os pilotos tendem a ser mais cuidadosos faltando cinco corridas para a definição do Chase, a Nascar sabe que seria um péssimo negócio deixar alguém assistir a uma prova burocrática em meio a uma tempestade. Por isso, nada de corridas na chuva.

Seja qual for a real explicação, a decisão de adiar parece que foi acertada. Em plena segunda-feira, o público em Watkins Glen foi de 85 mil pessoas. A Indy, em New Hampshire, atraiu cerca de 30 mil e foi considerada um sucesso. Uma corrida do Brasileiro de Marcas varia entre 3 a 5 mil pessoas, embora seja impossível contabilizar, pois a entrada é franca.

Na pista, a corrida teve tudo o que qualquer fã gosta. Muitas ultrapassagens, acidentes, brigas, mais acidentes, mais brigas e mais ultrapassagens. No final, já na prorrogação, Marcos Ambrose relargou muito mal, mas contou com um erro de Kyle Busch para manter a segunda colocação. Na saída da chicane, o australiano deu alguns bumps em Brad Keselowski, que já havia aberto espaço, e conseguiu a ultrapassagem.

Brad Keselowski
Brad Keselowski ficou fora da Nationwide pela segunda semana seguida. Brad Keselowski foi o destaque da Sprint pela segunda semana seguida

A corrida acabou sendo encerrada em bandeira amarela. Não por conta da capotagem de David Reutimann, que coletou mais cinco carros, mas devido à lambança de Tony Stewart, que cruzou a chicane de forma grosseira e atingiu Clint Bowyer – que coincidência, justamente o rival pelo Chase – antes de rodar. Uma excelente prova, portanto.

Quanto ao resultado, algumas observações. Marcos Ambrose estava devendo uma boa exibição em circuito misto fazia algum tempo. O australiano tem evoluído nos ovais, mas faltava um maior domínio nas pistas que são consideradas sua especialidade. Ele ainda está longe do nível do Montoya e de Tony Stewart, mas é um piloto em progresso na Sprint.

Durante quatro curvas, Brad Keselowski foi o líder da prova. Somando com a vitória de Pocono, esse foi o segundo top-2 seguido do piloto da Penske. Coincidência ou não, ambos vieram após o grave acidente enquanto testava em Road Atlanta. Não acho que houve um milagre na batida e o piloto tenha sido ‘consertado’, mas apostaria que o tempo longe da Nationwide e focando apenas na Sprint deve ter ajudado.

Como Carl Edwards não vai disputar a Nationwide de forma integral em 2012 – e nenhum outro piloto da Sprint até onde se sabe – não seria bizarro imaginar que Keselowski pudesse optar por não competir em todas as etapas da divisão de acesso. Ele poderia, por exemplo, só correr quando ambos os certames dividem a mesma pista. Creio que isso beneficiaria tanto o campeonato quanto o piloto.

Por fim, Marcos Ambrose se tornou o 15º vencedor diferente em 2011, se juntando a Trevor Bayne, Jeff Gordon, Carl Edwards, Kyle Busch, Kevin Harvick, Jimmie Johnson, Matt Kenseth, Denny Hamlin, Regan Smith, Brad Keselowski, Kurt Busch, David Ragan, Ryan Newman e Paul Menard. Vale lembrar que o recorde é de 19 ganhadores distintos em 1956, 1958, 1961 e 2001, sendo apenas a última na chamada Era Moderna.

A próxima etapa da Nascar é em Michigan. O duelo pela vitória deve ficar entre os Ford de Jack Roush e os Toyota de Joe Gibbs. (Obviamente, por eu não ter citado, vai ganhar um Chevrolet). Ah sim, mas antes terá a etapa de Montreal, no sábado, que deve ser a melhor corrida do ano em qualquer categoria. A prova também marca a aposentadoria de Patrick Carpentier. Imperdível.