A primeira vitória brasileira na Nascar

Pietro Fittipaldi
Não se assuste com o número de patrocinadores, Pietro Fittipaldi não é o único que se aproveita da família para descolar uns investidores

A primeira vitória de um piloto brasileiro na Nascar não veio de Nelsinho Piquet, tampouco de Miguel Paludo. O responsável por essa façanha foi Pietro Fittipaldi, de apenas 15 anos de idade. Como o nome entrega, o garoto é neto de Emerson e segue os passos do tio, Christian, que disputou a Nationwide e a Sprint Cup entre 2002 e 2003, sem qualquer sucesso.

Pietro compete na divisão Limited Late Model da pista de Hickory, sendo uma preliminar da Nascar All American Series. Ok, acho que você não entendeu nada deste parágrafo, então vou explicar. A Nascar é dividida a partir de um organograma muito simples. Em cima estão as três principais divisões: Sprint Cup, Nationwide e Truck Series, que correm pelos Estados Unidos inteiro. Abaixo, estão a Nascar East e a Nascar West, que, evidentemente, são disputadas na Costa Leste e na Costa Oeste, respectivamente.

Por fim, chegamos à Nascar All American Series. Essa, na realidade, é uma série de competições que são disputadas em apenas uma pista. Ou seja, em cada oval aprovado pela Nascar nos Estados Unidos existe uma competição da categoria, que reúne pilotos locais, além de jovens promessas. Esses pilotos somam pontos na pista e podem ser declarados ‘vencedores do circuito’. Além disso, os pilotos também batalham em rankings estaduais e nacional. Então, o cara pode ser campeão do circuito, campeão do estado em que corre e campeão da Nascar All American Series só correndo em uma pista. Quem corre em Hickory, como é o caso de Pietro, além de ser o vencedor do oval, pode levantar a taça do estado da Carolina do Norte e dos Estados Unidos.

Esse é um dos caminhos mais usados para se chegar à Nascar. Desde 1982, quando o campeonato passou a ser organizado dessa forma, alguns pilotos se consagraram correndo nesse tipo de competição. Entre eles estão Greg Biffle, Clint Bowyer, Jeff Burton, Kurt e Kyle Busch, Dale Jr, Carl Edwards, Denny Hamlin, Kevin Harvick, Bobby Labonte, Jamie McMurray, Elliott Sadler e Brian Vickers. Ou seja, apenas quatro dos cinco primeiros da Sprint Cup neste ano.

Só que em 2011 Pietro Fittipaldi não vai se juntar a esses nomes. O garoto ainda está em uma divisão preliminar chamada de Limited Late Models, que são disputadas por carros mais antigos da Nascar. Pela lógica, nós próximos anos o brasileiro deve seguir para o campeonato principal e aí poder brigar por todos aqueles títulos citados acima. Complicado não?

Pois bem, Pietro atualmente ocupa a terceira colocação do campeonato com 476 pontos. O líder é Tyler Church com 490. Relativamente próximo, portanto. O brasileiro poderia estar melhor classificado se não fosse um mal resultado na penúltima etapa, quando terminou em 11º. Na última corrida, ele deu a volta por cima e venceu de ponta a ponta depois de largar na pole-position, enquanto Church terminou somente na terceira colocação.

Pietro está no caminho certo para quem quer seguir na Nascar. Se fosse para traçar um paralelo, ele estaria competindo em algo como a preliminar da F-Futuro, ou algo assim. Uma divisão feita para garotos como ele que um dia querem tentar alcançar as categorias principais. É legal ver que mesmo com o nome famoso, o piloto está indo bem debaixo. (Tão debaixo, que metade do texto eu gastei para explicar onde ele corre).

No ritmo que ele está, pensar em Truck Series ou Nationwide é algo para daqui a quatro ou cinco anos. Nascar East, em uns dois ou três. Mas é bom termos calma e ir acompanhando o que vai acontecendo com ele.

Enquanto Pietro corre na Nascar All American em Hickory, a Sprint Cup chega à Indianápolis para a segunda corrida mais importante do ano, perdendo somente para a Daytona 500. Como sempre os carros da Ganassi são os favoritos, em especial Montoya, mas nunca é bom descartar Jimmie Johnson, Carl Edwards, Kevin Harvick e Kyle Busch. Olho também em Tony Stewart, que é especialista na pista e atravessa boa fase na própria equipe depois do 1-2 em New Hampshire.

UPDATE: Pessoal, vi algumas discussões sobre se o Pietro Fittipaldi corre na Nascar ou não. Ele corre sim, basta ver o adesivo na lateral do carro dele. O que eu informei – e acredito não estar errado – é que ele não compete na Nascar All American Series, que é a competição envolvendo as pistas de todos os Estados Unidos. Se ele participa de uma sub-divisão, é bem provável.

3 comentários sobre “A primeira vitória brasileira na Nascar

  1. Se Pietro é NETO de Emerson Fittipaldi, então ele é PRIMO em 2º grau de Christian, já que este é filho de WILSON. : \

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s