Nurburgring
Nurburgring não é exatamente a pista mais emocionante do calendário da F1. Por isso, é bom que chova

Esqueça Hockenheimring! A F1 chega neste final de semana à Nurburgring para a disputa da décima etapa da temporada 2011. E, acredite, essa é a maior novidade para a corrida. Desde 2006, as duas pistas fazem um rodízio – um tanto forçado em meio a disputas judiciais e ameaça de saída de patrocinadores – para quem vai sediar o GP da Alemanha.

Quem não tem nada a ver com essa alternância de pistas é Sebastian Vettel, que corre em casa, e aparece, obviamente, como favorito absoluto à vitória. Ainda mais depois que a FIA decidiu liberar o mapeamento do motor e o difusor aquecido desde que não haja mudanças na configuração entre o treino classificatório e a corrida.

Apesar disso, a verdade é que Sebastian Vettel jamais venceu na Alemanha. Então, tanto faz se a prova for em Hockenheimring ou em Nurburgring, em qualquer uma das duas o piloto estará na seca. Aliás, o piloto da Red Bull já chegou em primeiro em 12 das 20 pistas que compõem o calendário 2011 da F1, podendo alcançar uma 13ª nesse final de semana.

Apesar desse jejum, o desempenho de Vettel em Nurburgring, nas categorias de acesso, é animador. O atual campeão do mundo triunfou uma vez por lá correndo de World Series by Renault, em 2007, e duas na temporada 2006 da F3 Euro Series. Em Hockenheimring, por outro lado, o alemão só acumula uma única conquista.

Ainda falando sobre a casa rubro-taurina, Mark Webber foi o último vencedor em Nurburgring, em 2009, e pode se inspirar nessa conquista para tentar repetir o resultado neste final de semana. O australiano chega duplamente pressionado para essa décima etapa. Em um primeiro momento, ele é o único dos cinco pilotos que brigaram título de 2010 a não ter vencido na atual temporada. Além disso, a polêmica quanto à ordem de equipe em Silversonte trouxe novamente à tona a discussão sobre se existe segundo piloto na Red Bull. Caberá a Webber mostrar se tem, ou não e por quê.

Ferrari e McLaren, evidentemente, chegam como principais desafiantes à Red Bull. As duas necessitam de fatores externos para ter melhor desempenho, do contrário a tendência é um passeio da equipe austríaca. A McLaren espera que o retorno do mapeamento do motor volte a deixar a equipe com um bom rendimento na Alemanha. O resultado em Silverstone, quando só Hamilton pontuou chegando em quarto, pode ser considerado um fiasco para qualquer possibilidade remota de título para os ingleses.

A Ferrari, por sua vez, torce para que chova, assim eles não precisam usar o pneu duro – ponto fraco do time italiano, que não consegue desenvolver aderência com tal composto. O lado bom é que a previsão é realmente de pista molhada. Aí sim, como diriam por aí, ‘temos uma corrida’.

No meio do pelotão, o destaque fica para Mercedes, Force India e Toro Rosso. Na primeira, o fator casa pode ajudar Nico Rosberg e Michael Schumacher conseguirem resultados melhores que a sétima e oitava posição. Em caso de pista molhada, aliás, a dupla pode até mesmo entrar na briga por pódio, como já aconteceu em situações parecidas. A Force India, que tem aliança com a Mercedes, espera do mesmo fator casa para vencer. Além de Adrian Sutil e Nico Hulkenberg terem nascido por aquelas terras, Paul Di Resta é o atual campeão do DTM e, portanto, conhece essas pistas como a palma da mão.

Na Toro Rosso a graça é a disputa pela sobrevivência. Jaime Alguersuari está dando um banho em Sébastien Buemi nas últimas etapas e já começa a dar de ombro para os treinos classificatórios. O espanhol parece ter se tornado um mago da economia de pneus e mesmo com eles mais desgastados consegue ser mais rápido que o companheiro de equipe. Era tudo o que o suíço, antes favorito a continuar em 2012, não queria.

Nas nanicas, será interessante ver como Karun Chandhok se comporta na Lotus. O indiano precisa apagar o acidente do treino em Melbourne se quiser ser considerado por Tony Fernandes para a vaga de Jarno Trulli em 2012.

A minha previsão furada é que Sebastian Vettel quebra o jejum em Nurburgring, seguido pelos dois carros da McLaren.