Sebastian Vettel
Sebastian Vettel está tendo um ano fantástico em 2011: vence tudo e ainda vê os adversários apresentarem desempenhos terríveis

A temporada 2011 da F1 caminha para ser a mais chata da história. Não falo das disputas na pista, onde, de certa forma, estão bem mais emocionante que nos outros anos, o problema do atual campeonato é a enorme disparidade na tabela de pontos.

Elogiar Sebastian Vettel é clichê. Em oito provas, o alemão venceu ‘apenas’ seis e conquistou sete pole-position. Um desempenho que, obviamente, é digno de campeonato. No entanto, essa temporada dominante do piloto da Red Bull é apenas um dos fatores que fazem o atual campeonato ser tão chato me termos de briga na pontuação.

Após oito etapas, Vettel soma 186 pontos, 77 a mais que os rivais Jenson Button e Mark Webber. Em termos práticos, o alemão poderia desistir de correr as próximas três etapas que ainda assim estaria na liderança. A última vez que a F1 viu um domínio assim foi quando Michael Schumacher estava no auge na Ferrari.

Em 2002, o atual piloto da Mercedes havia somado 70 pontos após oito etapas. Vencido seis, terminado em terceiro na Malásia e, em segundo em Mônaco. Em 2004, Michael vencera sete das primeiras oito corridas, mas abandonado em Mônaco, continuando com os mesmos 70 pontos de dois anos anteriores. Seguindo a regra do 10-6-4-3-2-1 que vigorou até 2002, Vettel hoje teria 72 pontos. Ou seja, um desempenho melhor que o do compatriota no auge da Ferrari.

Mas, como dito, esse é apenas um dos fatores que fazem a temporada 2011 ser tão chata. O outro é a fragilidade dos adversários. Não é só Vettel que está dominando, os rivais estão fazendo campeonatos muito ruins e irregulares. Assim, caso o piloto da Red Bull venha a ter algum problema, os desafiantes não estariam no lugar certo para aproveitá-lo.

Para comprovar, basta ver o retrospecto de Button. Em oito etapas, o inglês terminou três vezes na sexta colocação. Em outros tempos, teria somado só um ponto nessas provas. Aliás, levando a pontuação do piloto da McLaren para as antigas regras, ele teria somado apenas 30 em 2011. Lembrando que Vettel teria 72.

Webber, então, estaria ainda mais atrás. O australiano teria somado 29 pontos, mesma pontuação de Lewis Hamilton, mas perderia nos critérios de desempate, já que o britânico venceu em 2011. Fernando Alonso apareceria com 22 pontos e Felipe Massa… somente seis.

Schumacher, no auge de 2004, quando venceu 12 das primeiras 13 corridas, teve a sombra de Rubens Barrichello logo atrás. Ainda que o brasileiro não tivesse condições de brigar realmente pelo campeonato, o alemão tinha um rival pronto para esperar qualquer vacilada. E mesmo o terceiro colocado Jenson Button, na Honda, tinha um desempenho muito semelhante ao atual com a McLaren.

E mesmo no domínio de 2002, Schumacher viu o irmão Ralf, além de Juan Pablo Montoya endurecer a disputa até a sexta etapa. (Depois o colombiano conseguiria três pole-position seguidas, mas acumularia três abandonos, e o título ficaria com o agora heptacampeão.

Salvo uma grande catástrofe, o título de 2011 deve ficar com Sebastian Vettel. Não só porque o alemão está fazendo de tudo para merecê-lo, mas também por conta de os adversários estarem muito abaixo do esperado.