JP de Oliveira
JP de Oliveira escrevendo o texto sobre as 24h de Le Mans

JP de Oliveira ocupa um curioso posto no automobilismo brasileiro: o de ídolo desconhecido. Com as más-fases de Helio Castroneves, Felipe Massa e Rubens Barrichello, não seria absurdo dizer que ele é o brasileiro de maior destaque internacional. O único problema é que ele compete no distante Japão.

João Paulo é o vice-líder do SuperGT, principal campeonato de turismo japonês, e atual campeão da F-Nippon, maior campeonato de monopostos por lá. Ainda assim, o reconhecimento que ganha deste lado do planeta é quase nulo durante o ano.

Claro que o piloto poderia se acomodar com essa situação, afinal, linguisticamente já há uma barreira para procurarmos o que acontece nessas competições. Só que JP vive uma luta incansável para mostrar para o restante do mundo, principalmente para nós brasileiros, a importância do automobilismo japonês.

No último domingo, dia 12, as 24 Horas de Le Mans teve como ganhador o Audi número 2, pilotado por Marcel Fassler, Benoit Treluyer e Andre Lotterer. Os dois últimos, aliás, são adversários de JP no Japão.

JP de Oliveira, então, decidiu escrever um texto (o que já é curioso, um piloto que escreve) não só parabenizando os companheiros de automobilismo nipônico como, também, reforçando a qualidade do esporte praticado por lá. Afinal, Treluyer e Lotterer venceram uma das competições mais importantes do mundo ao mesmo tempo em que são rivais diários do brasileiro. O texto de JP você pode ler clicando aqui.

Nesse final de semana, o brasileiro disputa a terceira etapa do SuperGT, em Sepang, onde ele é considerado um dos maiores especialistas da categoria na pista. Talvez por conta da participação de Treluyer e Lotterer, a corrida ganhe alguma importância internacional nem que seja para mencionar o que os dois fizeram depois do título na França. Entretanto, JP deverá seguir sem destaque, mesmo em caso de vitória.

Até porque, ele foi o vencedor da última etapa, disputada em Okayama no final de maio, mas certamente esse triunfo não ganhou tanto destaque.

P.S.: a situação de JP, no Japão, é no mínimo curiosa. Enquanto ele batalha para que o automobilismo nipônico tenha destaque em outros locais do mundo, o próprio piloto se tornou uma celebridade instantânea no início do ano, com os terremotos e tsunamis por lá. Como a imprensa, no geral, precisava de alguém no Japão para falar como era a situação do país e o piloto é assíduo na Internet, ele deu entrevista para tudo o que foi veículo de comunicação contando o que via por lá.