Brad Keselowski
Comemorar com a bandeira americana virou uma marca de Brad Keselowski

A vitória de Brad Keselowski na etapa do Kansas na Nascar Sprint Cup, realizada no último domingo, dia 5, foi o que a categoria precisava para consolidar a mudança de regra de acesso ao Chase que entrou em vigor na temporada 2011.

Se antes ninguém considerava o piloto da Penske como um candidato ao playoff, hoje, Keselowski estaria apenas sete pontos atrás da classificação para a fase final caso a temporada regular terminasse agora. Explico. Como a Nascar decidiu que, em 2011, após as 26 primeiras etapas, os dois pilotso que mais tiverem conquistado vitórias e ocuparem entre a 11ª e 20ª colocação da tabela receberam convites para disputar o Chase, os triunfos passaram a valer bastante.

Mas se até a corrida do Kansas os vencedores de 2011 estavam ou consolidados entre os dez primeiros, ou muito abaixo na tabela, a situação de Keselowski era o ingrediente que a Nascar queria para dar mais emoção ao campeonato. O triunfo deixou o piloto da Penske no 21º posto, apenas sete pontos atrás de Paul Menard. No momento, apenas Jeff Gordon (13º) entraria no Chase via convite, então, caso Brad vira um forte candidato ao playoff pois precisa apenas ganhar mais uma posição e torcer para que está ali na ‘bubble’ vença nessa temporada.

Keselowski se torna um candidato ainda mais forte para entrar na fase final do campeonato se levarmos em conta o retrospecto do piloto nas últimas provas. Desde Darlington, o carro da Penske tem sido um forte candidato à vitória. Na Carolina do Sul, Brad empurrou Regan Smith para a vitória e acabou ficando com a terceira colocação.

Em Dover, o piloto fez uma prova sólida e encerrou em 13º – naquela que foi a atuação mais apagada da sequência. No Sprint Showdown, o carro número 2 avançou ao evento principal da noite. Nas 600 Milhas, Keselowski era o quarto colocado naquela relargada confusa e não teve culpa nenhuma ao acertar o carro de Kasey Kahne – o líder – que teve uma pane seca faltando duas voltas pro fim. Para encerrar, no Kansas não teve jeito e Keselowski enfim venceu.

Brad Keselowski
Parar ou não parar. Esse tem sido o trunfo de Keselowski nas últimas provas

Com esse bom desempenho nessas últimas corridas, Keselowski pulou da 28ª posição na tabela de pontos para a 21ª colocação. Assim, não será surpreendente se o piloto da Penske entrar em posição de brigar por um dos convites do Chase.

Essa arrancada de Keselowski coincide com a evolução do piloto na Sprint Cup. Parece que o piloto da Dodge finalmente está adaptado à principal categoria do turismo americano. Prova disso é que desde Darlington, Brad completou todas as voltas disputadas. Nas nove provas anteriores, apenas em Bristol o piloto tinha conseguido esse feito.

Ao mesmo tempo em que Keselowski tem se mantido frequentemente na volta do líder, isto é, em posição de brigar pela vitória no final da prova, o piloto conta com a boa fase do mecânico chefe Tom Wolfe. Nas três corridas, o ex-piloto acertou em todas as estratégias e garantiu ao Dodge número 2 chance de brigar pela vitória.

Keselowski agora é um novo fator na briga pelas 12 vagas do Chase e vai incomodar quem está ali na décima e 11ª posição. Talvez, a disputa até Richmond pelo playoff se concentre tanto entre os dez primeiros, como no duelo pela 20ª colocação. Algo bastante interessante.

A próxima corrida da Nascar é em Pocono, reduto de Denny Hamlin. A equipe de Joe Gibbs sempre anda bem por lá assim como Tony Stewart. Kevin Harvick e Jimmie Johnson também podem ser fatores. Olho neles. Outro ponto interessante vai ser ver o desempenho da Ford, que no início do ano teve problemas em ovais maiores que 1,5 milha. Resta saber se em Pocono eles terão resolvido esse problema.

P.S.: ano passado eu fiz um post bem legal que explicava o curioso traçado triangular de Pocono, se você quiser ver, basta clicar aqui.