Richie Stanaway
Richie Stanaway é o favorito para a temporada 2011 da F3 Alemã..

Se o último final de semana marcou o início da temporada europeia do automobilismo com as rodadas inaugurais de campeonatos como a F3 Inglesa e a World Series by Renault, este sábado, dia 23, campeonatos mais atrasados, digamos assim, iniciam a temporada 2011. Um desses certames é a F3 Alemã cuja rodada de abertura acontece em Oschersleben.

A versão alemã da F3 tenta aos poucos se estabilizar como o principal campeonato da região conhecida como norte da Europa ao atrair pilotos vindos de campeonatos disputados na Alemanha, Áustria, Holanda, Bélgica, Finlândia, República Tcheca, Rússia e Suíça. Torneios esses como a ADAC Masters, que levou Richie Stanaway para a F3, além da F-Renault do Norte da Europa e F-BMW da Suíça.

Assim, grande parte dos inscritos para 2011 vem desses campeonatos. Mesmo que nomes anunciados durante o inverno europeu, como Daniel Aho – melhor finlandês entre Valtteri Bottas e Aaro Vainio – e Michael Lamotte – primeiro americano a ser campeão na Europa desde Scott Speed – não terem se confirmado, o grid segue bem forte. Além de Stanaway, pilotos como Patrick Schranner, Jeroen Mul, Sandro Zeller e Yannick Mettler aparecem como favoritos.

Hannes van Asseldonk, vindo da F-BMW europeia e da F-Abarth italiana, é quem corre por fora na disputa. Isso porque o jovem piloto irá correr pela fortíssima Van Amersfoort, que, vinda da Holanda, costuma dar chances a pilotos do país, embora aposte em um neozelandês – Stanaway – para o título de 2011.

Richie Stanaway
..mesmo assim Stanaway teve alguns contratempos na pré-temporada, como esse em Spa-Francorchamps

O principal nome para o novo campeonato, entretanto, é o de Tom Blomqvist, atual campeão da F-Renault britânica. Tom esnobou tanto a GP3 quanto a F3 Inglesa para correr na Alemanha pela também sueca Performance.

No entanto, a nova temporada da F3 Alemã merece destaque por dois motivos. O primeiro deles é a presença de Mikhail Aleshin na classe Light. Isso mesmo, o atual campeão da World Series by Renault, que chegou até mesmo a sondar uma ida para a F1 e ficou sem patrocinador mesmo depois de acertar com a GP2, aceitou correr por um campeonato menor nesse ano para não ficar parado. Algo bastante cruel, mas admirável em se tratando de um campeão.

O outro motivo é a presença de 23 carros na etapa de abertura. Quase o dobro dos 12 presentes na prova da F3 Euro Series, que praticamente compete nas mesmas pistas. Se antes o certame europeu era considerado o primo extremamente rico e famoso do alemão, hoje o certame da terra de Schumacher parece ensinar lições de como fazer para se reestruturar. Não é por acaso que durante a pré-temporada, a organização da Euro Series sondou sem sucesso diversas equipes, como a própria Van Amersfoort, além da HS Technik e da Performance, para um transferência.

Ainda que o campeonato alemão não tenha o mesmo destaque da própria categoria europeia ou da inglesa, parece ser o melhor caminho para os pilotos nascidos no norte do Velho Continente conseguirem dar o primeiro passo das carreiras.