Kimi Raikkonen
Kimi Raikkonen apareceu com esse visual sóbrio (hein, hein, belo trocadilho) no primeiro treino na Nascar e logo foi chamado de Darth Vader

Mais uma historinha dos bastidores da Nascar para alegrar o final de semana. Kimi Raikkonen, que testou exaustivamente pela equipe de Kyle Busch durante a semana, ganhou um novo apelido na categoria. O piloto, que já é conhecido por Iceman, agora passou a ser chamado de Darth Vader por conta do visual negro com que apareceu durante os treinos, bastante parecido com a falta de cores do uniforme do pai de Luke Skywalker.

Do lado negro da força, ou não, o desempenho de Kimi vem chamando a atenção. Nos dois dias em que andou em Gresham, Kyle Busch afirmou que os tempos do finlandês foram tão bons que o próprio piloto da Sprint Cup resolveu testar o equipamento para que Raikkonen tivesse um parâmetro.

Como a cronometragem oficial não foi revelada, toda a informação sobre o treino do piloto de F1 é obtida via Busch, que garantiu que os tempos de ambos foram bastante semelhantes. Integrantes da equipe do piloto, que estiveram presentes na atividade confirmam o ocorrido.

Por via das dúvidas, Kimi Raikkonen treinou também em Rockingham. E, mais uma vez, o piloto marcou tempos de voltas melhores que o esperado pela equipe. Em um comunicado divulgado pela equipe de Busch, Eric Phillips, chefe de mecânicos foi direto com relação ao desempenho do novo piloto: “Nós só demos 50 voltas hoje porque estava óbvio que não teria mais nada para ser testado. O garoto realmente sabe como dirigir”.

Darth Vader
Eric Phillips e Kimi Raikkonen analisando o resultado do treino

Depois de uma semana do anuncio da que parece ser a principal contratação internacional da história da Nascar, Kyle Busch está bastante entusiasmado com o novo funcionário e já fala por aí em ter conseguido a sorte grande.

Raikkonen, por sua vez, não demonstra nenhuma emoção obviamente. A pessoas próximas o finlandês já afirma que dependendo do resultado nas etapas da Truck Series neste ano, a Sprint Cup deve ser o destino já no ano que vem.

Aí, aliás, entra uma curiosa dúvida. Kimi Raikkonen tem o equipamento top da Truck Series competindo pela equipe de Kyle Busch. Em uma eventual transferência para a Sprint, iria alguma equipe grande abrir vaga para o antigo piloto da Ferrari, ou ele teria que passar os primeiros anos correndo por times menos estruturados como Red Bull, Michael Waltrip ou JTG?

Para terminar, lembra a história de que Kimi Raikkonen teria que pagar US$ 100 mil toda vez que pilotasse em uma etapa para o patrão? Então, como o objetivo dessa estratégia é arrumar patrocínio, ao que tudo indica a conta do finlandês ficará menor. Kimi arrumou o patrocínio da Perky Jerky, que é na realidade uma carne com sabor e efeito de guaraná. (Que delicia…)