Kyle Busch
Kyle Busch é o piloto dominante em Bristol. Mas será que o desempenho vai permanecer assim durante o ano?

Se a Nascar sempre prega a competitividade bradando que em cada corrida 43 pilotos têm chances de vitória, isso não se aplica às etapas de Bristol. Quando a categoria chega para correr na curta pista do Tennessee, há apenas uma certeza: Kyle Busch será o piloto a ser batido. Nas últimas cinco corridas no local – 2 na Sprint, 2 na Nationwide e 1 na Truck Series –, o piloto do carro número 18 saiu-se vencedor em todas.

A marca é ainda mais sensacional se levarmos em conta que no sábado, ainda em Bristol, Busch bateu o recorde das 10 mil voltas lideradas na Nationwide Series. Aparentemente, esses dois fatos isolados pouco tem a ver. Podemos concluir que Busch é bom em Bristol, assim como é o piloto dominante na Nationwide. Então, salvo quando a categoria corre por lá, as duas são estatísticas irrelevantes. Só que a história não é bem assim.

Quem acompanha a Nascar, o blog aqui, ou o Grande Prêmio sabe do domínio de Kyle Busch nas divisões de acesso do turismo americano. A combinação de talento + equipamento que o piloto dispõe é muito superior ao de qualquer adversário. E chega até ser covardia competindo contra os jovens que estão no início da carreira. Não é por acaso que na Nationwide, por exemplo, nos últimos três anos o único piloto sem passagem pela Sprint Cup a vencer foi Justin Allgaier.

Só que na Sprint Cup, as coisas não são assim tão fáceis e Busch não consegue impor o domínio. O piloto fez um excelente campeonato em 2008, quando liderou a temporada regular com nove vitórias. Chegou ao Chase como favorito e emplacou resultados terríveis na sequência, ganhando o apelido de amarelão. Embora haja um certo exagero nessa alcunha, uma hora os fãs se cansaram de ver o garoto dominando aos sábados – quando correm as divisões de acesso normalmente – e não fazendo nada de grande destaque no domingo. Não é errado dizer que todo mundo quer ver as coisas nos lugares certos: Kyle Busch dominando na Sprint e jovens pilotos tendo destaque na Nationwide. Em Bristol, a primeira parte ao menos é certeza de acontecer.

Ainda falando na última etapa, destaque para mais uma excelente corrida de Carl Edwards. Depois de largar na pole-postion, o piloto da Ford terminou na segunda colocação, brigando com Busch pela vitória até o final. Em quatro corridas no ano, Edwards conquistou duas pole-positions, uma vitória e dois segundos lugares. Apenos alerto pra não se apressarem, porque, em 2008, ele começou o ano da mesma maneira, com vitórias e liderança do campeonato. Embora, na ocasião, ele tenha lutado pelo título, não teve tanto destaque assim no meio da temporada.

Outros dois que fizeram boas corridas foram Kevin Harvick e Jimmie Johnson. Enquanto o piloto do carro número 29 segue em um bom momento desde o ano passado, o adversário está em uma boa fase que dura desde... que nasceu. estreou na categoria. Em 2011 eles continuam fazendo boas corridas e eu reitero que, no meio do campeonato, devem formar com Busch e Edwards – e talvez Kurt Busch e Tony Stewart – aqueles que lutam pela liderança da tabela.

 

Paul Menard
Paul Menard vem fazendo um ano excelente e é o quinto colocado na tabela de pontos

Por outro lado, Denny Hamlin ainda está devendo uma boa atuação. O atual vice-campeão parecia que iria fazer de 2011 o ano para desbancar Johnson, mas até agora nada. Conseguiu um TOP 10 em quatro corridas, o que é muito pouco. Em Bristol, se envolveu em um acidente, sem culpa, e novamente ficou pelo caminho. No entanto, é bom lembrarmos que a campanha de Hamlin na última temporada começou ainda mais desastrosa que a deste ano e no final o piloto liderava faltando apenas duas provas para o final.

Se Hamlin ainda não encontrou a boa fase, Jeff Burton vive um ano ainda pior. O experiente piloto da equipe de Richard Childress está no último ano de contrato com o time e está ameaçado de ficar fora do TOP 35 – que tem posicionamento garantido nas corridas – depois da prova da Califórnia. Na última etapa, adivinhe, pois é, ele abandonou mais uma vez depois de se acidentar.

A fase de Burton é completamente a oposta da de Paul Menard, novo integrante da RCR. O carro número 27 é o líder entre os quatro pilotos do time e está em um momento surpreendente. Em Bristol, Menard tomou a liderança da prova na marra e liderou por algumas voltas. No fim, o quinto lugar foi mais que merecido. Tá aí uma grata surpresa para esse ano.

A próxima etapa da Nascar é na Califórnia, onde poderemos ter uma visão melhor de quem é favorito e quem não é. Como os acidentes não são muito comuns em Auto Club, a tendência é que carro bom ande na frente e carro ruim fique para trás. A briga pela vitória deve ficar com o quarteto mencionado acima – Johnson, Busch, Harvick e Edwards -, mas eu não descartaria Matt Kenseth. Se fosse para apostar em alguém, eu iria de Edwards.

P.S.: se você não viu como foi a corrida de Bristol da Nascar Sprint Cup, clique aqui e veja com a qualidade de sempre.