Carlos Sainz no Dakar 2010
Carlos Sainz comemorando a vitória no Dakar 2010

Tradicionalmente o primeiro evento de esporte a motor do ano é o Rali Dakar. Apesar do nome, faz alguns anos que a competição deixou a África (Dakar é a capital do Senegal) e acontece na América do Sul. Nada preocupante, já que, por exemplo, o Rock in Rio passou anos fora do Rio de Janeiro e o Grêmio Barueri é um time de futebol da cidade de Presidente Prudente.

A edição 2011 do maior rali de todos começa em Buenos Aires no dia 1º de janeiro e termina no dia 15 também na capital argentina. Ao todo, vão ser 13 dias de competição onde os participantes vão percorrer 9,5 mil km – dos quais 5 mil serão cronometrados – passando pela Argentina e pelo Chile.

Percurso do Dakar 2010
Percurso do Dakar 2010

O World of Motorsport faz agora um breve resumo de quem é quem na competição:

Motos: A mudança no regulamento entre as motocicletas – quando todas terão o limite de 450cc – prometeu um maior equilíbrio na categoria. A realidade, porém, é um tanto diferente. A disputa deve ficar reduzida ao espanhol Marc Coma e ao francês Cyril Despres, os dois últimos vencedores da competição. O também gaulês David Casteau corre por fora.

Além do trio, o norueguês Pal Ullevalseter, o chileno Francisco López Contardo e o português Hélder Rodrigues merecem destaque. Rodrigues, aliás, estreia pela equipe oficial da Yamaha e promete fazer uma boa competição. O americano Jonah Street também é outro competidor que pode surpreender.

Por fim, a BMW apostava todas as fichas em David Fretigné, mas o francês terminou 2010 lesionado e não vai correr. O substituto será o brasileiro Zé Helio, que fará a terceira participação no Dakar. Além dele, a equipe alemã também conta com o holandês Frans Verhoeven e com Paulo Gonçalves, de Portugal. Fora Hélio, o Brasil estará representado por Jean Azevedo, com uma KTM, que volta à disputar a competição nas motos depois de se aventurar nos carros, e por Vicente De Benedictis.

Quadriciclos: O domínio da família Patronelli dos hermanos (literalmente) Marcos e Alejandro foi tão grande em 2010, que para a nova edição da competição a expectativa é ver quem poderá pará-los. Os favoritos a esse tarefa são o polonês Rafal Sonik – atual campeão mundial -, o tcheco Josef Machacek, o francês Cristophe Declerck e o argentino Sebastian Halpern. Não há brasileiros na divisão.

 

Race Touareg 3
A Volkswagen trouxe o novo Race Touareg 3 para tentar o tricampeonato do Dakar

Carros: Na principal categoria, a Volkswagen estreia o novo Race Touareg 3 para a disputa da edição de 2011 do Dakar. O atual campeão Carlos Sainz é favorito, mas NasserAl-Attiyah também é um forte concorrente. Em 2010, o representante do Qatar terminou apenas 2min12s atrás do espanhol. Além dos dois, a montadora alemã ainda conta com o americano Mark Miller e com o sul-africano Giniel De Villiers.

A principal rival da Volkswagen também vem da Alemanha: a BMW. A concorrência entre os dois principais times vai muito além das montadoras. Nos últimos anos, os Touareg ficaram marcados pela predominancia da cor azul no esquema de pintura devido ao patrocínio da Red Bull. Em 2011, a BMW anunciou a parceria com a Monster – outro energético – para disputa da competição. Com a chegada do novo investidor o time pôde melhorar o plantel. O megacampeão Stephane Petterhansel, favoritíssmo ao Dakar, continua com a montadora, que ainda contratou o polonês Krzysztof Holowczyc, o francês Guerlain Chicherit e o argentino Orlando Terranova, que forma parceria com Filipe Palmeiro.

 

Guilherme Spinelli
O Mitsubishi de Guilherme Spinelli. O brasileiro quer repetir o Top 10 da última edição

O navegador português, em 2010, formou dupla com o brasileiro Guilherme Spinelli na Mitsubishi. Aliás, tanto Palmeiro quanto Terranova vieram da montadora japonesa, que não participa com apoio da fábrica. Mesmo assim, Spinelli está de volta à competição com um Mistubishi Lancer Dakar, ao lado do compatriota Youssef Haddad. Os brasileiros também estão representados por Marlon Koerich e Emerson Cavasin, que substituem Jean Azevedo na equipe da Petrobrás.

Para encerrar as grandes equipes, temos a Nissan. Os japoneses perderam Holowczyc para a BMW, mas trouxeram Nani Roma – liberado pelos alemães – para a vaga em aberto. A equipe também conta com Alfie Cox e com os menos conhecidos Alexander Mironenko, da Rússia , e Boris Garafulic, de Liechenstein.

Por fim, a categoria ainda reúne uma série de pilotos notórios como os argentinos Norberto Fontana, ex-F1 e Indy e atual campeão da TC 2000, Emiliano Spataro e Juan Manuel Pato Silva, participantes da mesma competição portenha de turismo. Tim Coronel, que já correu no WTCC, vai para mais uma participação no rali. Apesar dos pilotos locais, a grande estrela no Dakar é Robby Gordon. Sempre presente entre os primeiros, o piloto da Nascar retorna ao rali com o poderoso Hummer – agora patrocinado pelo energético do próprio piloto – com o objetivo de recuperar o pódio obtido em 2009.

Caminhões: Na última das quatro categorias, em 2010 ninguém foi capaz de vencer os poderosos Kamaz de Vladimir Chaguin e Fidaurs Kabirov, e eles estão de volta. Para tentar desbancar os russos, aparecem o Iveco de Gerard De Rooy, o Man de Marchel Van Vliet e os Tatra, do francês Ales Loprais e do brasileiro André de Azevedo. Por fim, Jan Lammers, ex-piloto de F1, também retorna ao rali com um Ginaf.