Felipe Nasr
Felipe Nasr assinou com a Carlin para o segundo ano na F3 Inglesa

Nas últimas três temporadas da F3 Inglesa, a categoria foi dominada pelo piloto da Red Bull, que competia pela equipe Carlin. Em 2008, Jaime Alguersuari foi campeão, sucedido por Daniel Ricciardo e por Jean-Eric Vergne.

Todavia, ao que tudo indica, não haverá um piloto dos energéticos para 2011. Assim, o certame chegou a uma situação inédita: é impossível afirmar que há um favorito para o próximo ano.

Só que se a Carlin se habituou a dominar a categoria, e, mesmo sem um piloto apoiado pelos taurinos, a equipe não pretende ser derrotada na próxima temporada. Para isso, já anunciou cinco pilotos para 2011. Além de Carlos Huertas e Jack Harvey – que será assunto de um post em breve –, também farão parte do plantel Rupert Svendsen-Cook – que renovou -, Felipe Nasr e Kevin Magnussen.

A transferência de Nasr para o time favorito já era algo esperado pelos fãs da categoria. O brasileiro fez uma boa temporada de estreia, em 2010, e ainda colhe os frutos do título da F-BMW, quando venceu o torneio com amplo domínio.

 

Felipe Nasr
Felipe Nasr já foi patrocinado pela Red Bull. Teria o bom relacionamento com os energéticos pesado na hora da contratação pela Carlin?

Nasr entregou que estava indo para a Carlin ao postar no Twitter que anunciaria boas notícias para 2011 “em breve”. Dois dias depois, Steven Robertson, manager do piloto e sócio de Kimi Raikkonen em uma equipe da F3 Ingelsa, anunciou que ao lado do finlandês vendera o time de F3 para um dos funcionários da equipe e, a partir daí, ia focar apenas no trabalho com pilotos.

Bom. Robertson teria três opções para tomar essa decisão. Ele poderia estar abrindo mão da carreira nos monopostos para apoiar Kimi Raikkonen (e futuros clientes) no rali. Poderia estar vendendo a equipe para montar uma empresa de gerenciamento de pilotos nos mesmos moldes da Gravity e da Ferrari Driver Academy, ou poderia estar liberando os seus pilotos na F3 de competirem por um time que usa um equipamento um pouco pior em relação aos das scuderias dominantes – a Carlin, no caso.

Como a opção 1, do rali, era improvável e a 2 e 3 não se excluem, não foi difícil associar a ida do brasileiro para o time de Trevor Carlin. Vale lembrar que na F-BMW Nasr competiu com as cores da Red Bull, mas preferiu não se tornar um piloto de Dietrich Mastechitz e optou por assinar com Steven Robertson. No entanto, o bom relacionamento entre piloto e energéticos pode ter influenciado na contratação. Desde já, o brasiliense é um dos favoritos para 2011.

Outro nome que merece destaque é o de Kevin Magnussen. O dinamarquês chega à equipe Carlin depois de terminar a F3 Alemã na terceira colocação. Além de ter liderado o time da Motorpark Academy, o maior trunfo de Magnussen é o próprio nome.

 

Jan e Kevin Magnussen
Kevin Magnussen (a direita) é a cara do pai Jan (a esquerda)

Para quem não percebeu ou não conhecia, Kevin é filho de Jan Magnussen, ex-companheiro de Rubens Barrichello na F1, em 1997 e 1998 quando corriam na Stewart, e atual piloto da fábrica da Chevrolet, onde compete com um Corvette na ALMS e com um Camaro na GrandAM.

Jan Magnussen também é recordista de vitórias em uma só temporada da F3 Inglesa: venceu 14 vezes em 1994. Os britânicos prezam muito esse feito e o ex-piloto de F1 é um herói local da categoria. Em 2010, houve muita torcida para que Jean-Eric Vergne não superasse a marca do dinamarquês e, por conta das vitórias de James Calado e Adriano Buzaid, o francês não conseguiu quebrar o recorde.

Só que em 1994, Magnussen venceu 14 vezes em 18 corridas disputadas. Desde 2010, a F3 Inglesa implantou as rodadas triplas, então são 30 provas por ano. Jean-Eric Vergne, com 13 triunfos, venceu menos que a metade. Como a quebra do recorde parece ser questão de tempo, os ingleses não achariam ruim que a marca continuasse na mesma família.

A exemplo de 2010, o World of Motorsport vai acompanhar a temporada 2011 da F3 Inglesa, incluindo os testes de pré-temporada.